GREVE na PCSP, e nós aqui

Os agentes da Polícia Civil de São Paulo mostraram firmeza e partiram para a paralisação das atividades, conforme amplamente divulgado, com, diga-se, brilhante atitude de esclarecer à população o porquê do movimento paredista, através de um vídeo que chegou a ser inclusive censurado pelo poder Judiciário a pedido do governo de SP, que entrou com uma ação. Alegou o juiz da causa que o vídeo poderia “instaurar pânico, violando a ordem e segurança públicas”. Então tá então.

Mas voltando às vacas frias quentes, segundo consta nos blogs de polícia de lá, a greve começou muito bem, com grande adesão da categoria. Claro, houve momentos de tensão entre os policiais que reivindicam melhores condições de trabalho e remuneração justa, e os outros que estão nos quadros da mesma polícia mas que não ligam para este tipo de coisa. Preservar a cadeira é tudo, sabe-se lá por qual motivo.

Enfim, com cerca de 90% de adesão em todo o estado, o TRT interveio por iniciativa do MP do Trabalho, e determinou que 80% do efetivo continue trabalhando. Agora foi iniciado período de negociação, presidido pelo mesmo tribunal, e os agentes decidiram suspender a greve. Por enquanto.

Cá pelo Rio a situação chega a ser engraçada. Não conheço um só policial que se diga satisfeito com as condições de trabalho, a politicagem interna e a remuneração. E ao mesmo tempo, parece que nem é com eles. Revoltados e contidos.

Cansei de ouvir frases ditas em tom de revolta, como “vocês deviam investigar os podres de fulano”, “tem que jogar bomba sei lá aonde” ou “isso aí não adianta nada, tem que fazer sei lá o que”… e daí eu pergunto: VOCÊS QUEM, CARA PÁLIDA?

Parece que meus interlocutores não são também policiais! São um exército de conselheiros, com idéias revolucionárias e assustadoramente inéditas. Quando os ouço falar sempre penso o porquê de eu não ter pensado naquilo antes (ironia!) e digo “que idéias legais, VAMOS começar por onde então?”. Daí o assunto morre.

É uma constante depoimentos na internet como “vamos fazer greve”, vamos fazer isso e aquilo. Chega na hora, assembléias, reuniões, manifestações… o mesmo grupo de sempre. As mesmas caras, nenhuma daquelas que vociferam verborragicamente na internet. Brabos de Teclado, é como os chamamos. Quem não conhece e lê as mensagens pode até ficar receoso, temeroso… mas não devia, descobrirá que não passam de ratinhos manhosos, com garra aparada, e nem sonhando fariam 10% do que afirmam. Pessoalmente acho que estas pessoas nem existem, tratam-se de espíritos que vagam perdidos, almas de pessoas que um dia, quando em vida, foram policiais, e tentam animar os que ainda vivem.

O grupo do governador, que monitora tudo, inclusive nosso grupo restrito de debates no Yahoo, e obviamente todos os blogs policiais do Rio, deve morrer de rir. Uma vergonhosa série de ataques de “piti”. Enquanto isso, vida que segue, estou gastando por conta os 100 merréis de “reajuste” com o qual o governo me agraciou. E esperando os colegas acordarem deste sono profuuuuundo.

Uma ideia sobre “GREVE na PCSP, e nós aqui

  1. É companheiro, “tá difici”. Acabou a motivação de sair p/operação, tendo contas para pagar em casa…
    Estamos falidos, por isso as seguranças pagam mal, e a cada dia menos, enquanto a inflação dispara o Policial fica contando moedas para comprar um lanche.
    abç.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *