Vai e Volta, bandido no Brasil é iô-iô

Hoje à tarde estávamos na Base, e um colega lia sobre a operação policial realizada desde a madrugada por policiais civis de Delegacias Especializadas, e posteriormente durante a tarde, na mesma favela, por militares do 3º BPM, que localizaram 600 Kg de entorpecentes escondidos após denúncia.

Nada fora do normal para o Rio: 05 presos, apreensão de mais de 600 Kg de drogas, motos e carros roubados recuperados, o de sempre.

Mas no site do jornal O Dia, vendo a galeria de fotos da operação, um colega reconheceu um dos presos: “Nós já não prendemos esse cara?”. Eu não lembrava completamente da fuça do sujeito, mas fui verificar.

De fato, pesquisei em nossos arquivos, e estava lá. Flávio Batista da Silva, vulgo “Chocolate”, apontado como um dos “chefes” da favela do Jacarezinho. Foi preso hoje por agentes da DRAE (Delegacia de Repressão à Armas e Explosivos), de posse de 4 Kg de maconha, contabilidade do tráfico e R$ 1.150 em espécie, valor que quase se iguala ao salário inicial de um Investigador Policial no Rio.

Esta mesma figura fora presa ano passado pela CORE, no mês de maio. Foi autuado em flagrante, juntamente com mais 4 homens por resistência, porte de arma, tráfico e associação para o tráfico. Somando, dá uma pena abstrata de no mínimo 11 anos e 2 meses, e no máximo 33 anos de prisão.

Foi em outra operação, também na favela do Jacarezinho, quando o tal “Chocolate” e mais 3 bandidos foram encurralados em uma casa, e os policiais da CORE, sob a mira das armas portadas pelos marginais, negociaram a rendição do grupo. Os traficantes resolveram se entregar, e saíram da casa desarmados, sendo presos. Bom para os policiais, que não ficaram feridos nem foram obrigados a revidar tiros e responder um homicídio; bom para os bandidos, que não acabaram mortos; ruim para as ONGs de direitos humanos que não puderam reclamar da violência policial e pleitear aumento da verba pública que recebem. E ruim para a sociedade, porque, passado 1 ano, o cara já estava solto e traficando.

Pior. O sortudo do Chocolate na verdade foi solto em agosto do ano passado. Ficou preso portanto pouco mais de 2 meses, conseguiu um alvará de soltura e voltou para “trabalhar” no tráfico da favela, e já está em uma posição da “hierarquia superior” na “organização” do tráfico local.

Eu acho que Chocolate deveria agradecer à Polícia, porque quando foi preso ano passado era mais um vapor do tráfico, e agora, depois de passar pelo sistema penitenciário, já virou chefe! De nada Chocolate, a casa é sua, fique à vontade!

Agora, os cidadãos decentes, estes eu não sei quem eles deveriam agradecer…

Update: Hoje pesquisei, a fim de atualizar os arquivos, a decisão judicial do caso acima referenciado.

Na verdade, “Chocolate” foi ABSOLVIDO pelo juízo, que entendeu que não haviam nos autos provas suficientes de seu envolvimento, sendo aplicado o princípio do “in dubio pro reo”, ou seja, na dúvida, interpretar os fatos da forma mais favorável ao réu.

Lendo a sentença do Juiz, de fato, não há que se criticar a decisão, pois foi o entendimento dele, devidamente fundamentado.

No mais, reafirmo que todas as provas possíveis foram produzidas quando da prisão e autuação em sede policial, não sendo possível uma melhor investigação posto tratar-se de situação flagrancial em território de risco; também, não há falhas e/ou equívocos na lavratura do procedimento. Foi portanto o convencimento do juízo, que assim julgou a caso.

Mas agora, com essa nova prisão, mesmo em não havendo condenação anterior (no processo em tela), já fica mais difícil pro “Chocolate” escapar tão facilmente. Quem se interessar em ler a sentença, está no site do TJRJ, o número do processo é 2007.001.051167-5 .

14 ideias sobre “Vai e Volta, bandido no Brasil é iô-iô

  1. Excelente crônica Eduardo, as vezes por mais que tenhamos conhecimento da realidade de nosso sistema de “reabilitação” criminal, nos falta exemplos práticos para ilustrar o quanto este sistema é também nocivo para sociedade e não apenas para aqueles que estão diretamente envolvidos (policias, bandidos, agentes e familiares)!
    O caso exposto é exemplificativo, clássica situação do “enxuga gelo” e da “roda viva” que é a atuação repreensiva estatal hoje em dia.

    Abçs

  2. Eduardo, isso é o que tem de único nesse blog. Esse tipo de notícia, pq para quem está assistindo, lendo jornal, nem aparece tanto esta problemática. Apenas nos passa a sensação de que foram mais presos. O cara volta para a rua e o resultado é esse triste que está aí…
    Manda esse ser julgado pelo Dr. Odilon… rs!

  3. Obrigado amigos. Pior é que é isso mesmo. Na verdade nem a gente, que tá no dia a dia, tem muita noção disso. Neste caso, descobrimos por acaso, reconhecendo o cara pela foto, mas não dá pra gravar a cara de todo criminoso que passa pelas nossas mãos.

    Imagine quantos não passam ao nosso lado pelas ruas, nos reconhecem e nós não. Não tem como decorar, o policial atento percebe o “jeito de vagabundo” e fica escaldado, mas reconhecer mesmo é raro.

    Esse é o nosso sistema criminal…

  4. Eduardo, eu estudo para concurso, não tenho a prática pq nunca atuei em criminal. Para falar a verdade, a única vez que pisei numa DP foi para entrevistar os policiais para um trabalho de facul. A lei, como regra, não é ruim. O que é ruim é o mal uso dela. A gente pode ficar com o bandido preso mais tempo, mas para isso é necessário uma correta fase investigatória, um correto acompanhamento da execução da pena e por aí vai. O cara foi preso por tráfico, não cabe fiança, formação de quadrilha, risco de fuga, jamais poderia ter sido solto. Não foi a lei, mas algum vicio, alguém marcou bobeira e ele saiu. Enfim, é triste ficar na cara disso tudo e ter a convicção de que está se enxugando gelo, imagino. Mas eu não culpo, por inteiro, nossas leis…

  5. É por essas e outras quetem muitos colegas que: ou trabalham em áreas administrativas ou somplesmente fazem a poícia de bico. Trabalhar pra quê? Para a justiça soltar. Débora não se iluda, não há erros em fases investigatórias ou nas prisões, o que existe são brechas nas leis e um judiciário mais do que corrompido. A limpeza tem que começar de cima. Imagine o que não aconteceu na época do casal 20 e seu secretário de luxo…

  6. ..So rindo mesmo Dupcerj. Policia prende ,
    a Justiça Solta. Mais vamos pra frente que atras vem
    gente. E depois a Culpa e da Policia.uhua

    Força e Honra. ( Depois vão reclamar que a policia não
    prende vagabundo rsrs !)

    Leandro Menezes.

  7. Hoje pesquisei, a fim de atualizar os arquivos, a decisão judicial do caso acima referenciado.
    Na verdade, “Chocolate” foi absolvido pelo juízo, que entendeu que não haviam nos autos provas suficientes de seu envolvimento, sendo aplicado o princípio do “in dubio pro reo”, ou seja, na dúvida, interpretar os fatos da forma mais favorável ao réu.
    Lendo a sentença do Juiz, de fato, não há que se criticar a decisão, pois foi o entendimento dele, devidamente fundamentado.
    No mais, reafirmo que todas as provas possíveis foram produzidas quando da prisão e autuação em sede policial, bem como não há falhas e/ou equívocos na lavratura do procedimento. Foi portanto o convencimento do juízo, que assim julgou a caso.
    Mas agora, com essa nova prisão, mesmo em não havendo condenação anterior (no processo em tela), já fica mais difícil pro “Chocolate” escapar tão facilmente.
    Quem se interessar em ler a sentença, está no site do TJRJ, o número do processo é 2007.001.051167-5 .

  8. José Mauro, Justiça corrompida e solta um vagabundo de morro? Fala sério.
    Até queria ver, o Eduardo ficou devendo mais posts sobre o IPL, o famigerado. O policial vê a testemunha, mas tem que voltar para dp, falar com o delegado (que não esteve nunca no local do crime) e este pensa se intima ou não. Intima dias depois, a testemunha já esqueceu tudo, se é que foi encontrada. O perito nem participa, fica com quota parte da investigação, imagina o telefone sem fio que não deve ser. Eu acho que a legislação trata o IPL quase como um “processo”, altamente burocrático, sem pé nem cabeça. O certo seria o policial ouvir o cara na rua mesmo, seguir com ele para dp de plano se percebesse que ele sabe algo de relevante. O caso Isabella foi um exemplo: o delegado ouviu umas 40 pessoas que disseram a mesma coisa, que são os vizinhos. Para que tanto? Ah, já sei. Pro escrivão ter tendinite, igual a do escrivão do juizo que relatará tudo de novo.

  9. Vou cobrar, mesmo mesmo!!!
    Eu acho que investigação no Brasil tinha que ser igual a law and order… mas é mais parecido com um cartório, totalmente sem emoção e cheio de papel.

  10. Débora, você leu o post do Eduardo? Justiça corrompida sim. Qual fato vc acha que soltou esse vagabundo?

  11. “DE QUE SE QUEIXA O SER HUMANO? NA MAIOR PARTE DAS VEZES, DOS PROBLEMAS CAUSADOS POR ELE MESMO!”

    Nossa cidade se vê cada vez mais afundada em caos. O tráfico de drogas em todo o mundo mata milhares de usuários, seja por dívida, seja pela dependência química. Tudo isso provocado pelo próprio ser humano, a violência, o estrupo, a desigualdade social, a fome, o latrocínio, a violência familiar, a pedofilia. Criamos o contrato social (Thomas Hobbes), regras fomentadas para vivermos em sociedade e damos a desculpa do bom-selvagem, teoria em que o ser humano nasce bom, mas é pervertido pela sociedade( Jean-Jacques Rousseau, iluminista francês).
    Gandhi, espero que seu prêmio Nobel da paz sempre faça a diferença na vida de outros povos, Nelson Mandela, Zumbi dos palmares, Frei Caneca, Tiradentes, Chico Mendes, Rosa Parks, Martin Luther King Jr., até quando tantos outros irão se levantar, e pregar seus ideais nesse mundo de bicho-homem para que venhamos refletir no caos em que vivemos e que nós criamos?
    DE QUE SE QUEIXA O SER HUMANO? NOS QUEIXAMOS DE NÓS MESMOS…

    Polícia Cívil do RJ, minha meta de vida, meu sonho de lutar pelo que acredito, um dia serei policial e lutarei pela minha sociedade!!! pela descência de um lugar digno para os meus filhos viverem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *