Tiras, ACORDEM PARA A REALIDADE!

Os mais atentos, principalmente os que têm contato pessoal comigo no dia a dia repararam que, em determinados períodos, a falta de publicação de novos posts coincide com determinados eventos. Na maioria das vezes é mesmo, apesar de outras tantas não surgirem novos artigos por preguiça, falta de tempo ou, a já superada (por mim) debilidade dos serviços das concessionárias públicas.

É que tento cumprir com as metas que estabeleci para o CdP, para não desanimar com o projeto, evitando exposição desnecessária. E criar um texto com o sangue quente é sempre complicado.

Sim, porque é estranho não tratar de alguns assuntos, e mais estranho ainda seria trazer para debates temas de menor importância enquanto o mal nos assombra. Como poderia postar um vídeo engraçado, ou uma novidade em armamento, enquanto vejo os tiras serem achincalhados?

Poderia-se escrever um livro. Sim, só para falar de um período recente, do Técnico em Necropsia Fernando MAD, assassinado durante um assalto quando voltava de seu trabalho no IML para casa, e como até hoje (salvo os esforços em paralelo de policiais que eram amigos dele), as investigações não avançaram oficialmente, por todos os motivos de deficiência (intencional) da estrutura de polícia judiciária que conhecemos.

Depois houve o caso da morte do Delegado Alcides Iantorno. Este sim, causou grande comoção pública, até jornalistas chegaram a sugerir a criação de uma força tarefa para caçar o assassino; a cúpula da PCERJ se mobilizou, e conseguiram reunir um batalhão de tiras para desvendar o crime, em menos de 48 horas; não faltaram recursos, não faltou cobertura da mídia. Não que tal Delpol não merecesse tanta atenção, afinal os tiras que trabalharam com ele sempre elogiaram sua conduta e atitude enquanto policial. Mas entrevistas no jornal traziam frases como “(…) foi uma afronta direta ao Estado Democrático de Direito, e não vai ficar sem resposta (…).

Daí, uma semana depois, mais um policial civil é assassinado. E este estava trabalhando, no dia de folga, no famigerado “bico”, fazendo segurança privada para complementar a renda. Bem como gosta o Governo, que assim o mantinha. O policial civil Celso Menezes Damasceno era lotado na DIT (Divisão de Informática e Telecomunicações) da PCERJ, e há anos trabalhava como segurança em uma fábrica na Avenida Brasil. Foi rendido por marginais que o amarraram e executaram covardemente.

Agora não foi uma ofensa ao próprio Estado Democrático de Direito? Não foi um absurdo? Não vão empenhar todos os esforços possíveis e impossíveis para caçar os criminosos? Não vão lembrar de seu valor para a instituição?

Pois é tiragem …

Qual o valor do policial civil para a sociedade? Aposto que 90% dos populares diriam que nenhum. Qual o valor do policial civil para o Governo do Estado? Isso já foi esfregado em nossa cara, pra mim foram uns 35 reais. E o valor para a Instituição Polícia Civil?

zoom cartaz PCERJSim, porque para fazer propaganda institucional, o colega servia. Quem não lembra dos milhares de cartazes em “comemoração” ao Dia do Policial Civil em 29 de Setembro, que foram espalhados em todas as Delegacias? Porque lá estava a foto do Policial Civil Celso Menezes Damasceno. Estava lá, a imagem dele, representando “O Policial Civil”. E agora, PCERJ? Ele não era policial civil? Clique na imagem do cartaz da PCERJ para aumentar a foto de mais este policial que se foi… e desculpem a qualidade da imagem, foi difícil achar um desses cartazes, pois todos foram substituídos pelos tais “200 anos”…

Pois é, melhor deixar passar o tempo para falar desses assuntos. Ainda mais depois de saber, por fontes fededignas, que aqui no Rio, os tiras devem ser considerados “massa de manobra, peões”. Ah, deixa quieto…

Os Pobremas Acabaram…

Deu branco na ortografia de uma palavra? Não tem certeza se escreve com “z” ou com “s”? Você escreve um texto inteligente e interessante nos comentários e só depois que envia percebe que trocou as letras na hora de digitar? Seus problemas acabaram! Faça o download do corretor ortográfico em português integrado ao navegador e conquiste o respeito por suas opiniões online! 😉

Agora sério. Muitos policiais estão aderindo à esta poderosa ferramenta que é a internet, e é importante que os textos, comentários, Orkut, enfim, tudo que se escreve e é acessível a um sem número de pessoas, não apresente erros grosseiros de digitação ou escrita incorreta.

Esta dica só serve se você utilizar o programa Firefox para navegar na rede. Se você ainda usa o Internet Explorer, que vem instalado junto com o Windows, deveria pensar bem e conhecer este navegador, que além de ser mais seguro tem muitos programas que podem ser incorporados à ele. Ah, e é gratuito, quer mais!? Clique aqui para baixar o Firefox para seu computador.

O bizu é a extensão (ou complemento) para o Firefox que funciona como corretor ortográfico. Igual ao que ocorre no Word ou outro processador de texto, quando você escreve a palavra de forma incorreta, ele a sublinha, e clicando com o botão direito do mouse, lhe dá sugestão da grafia correta, ou permite que você adicione a palavra se ela não estiver no banco de dados.

A instalação é moleza. Abra o Firefox, vá até a página para instalar primeiro o pacote de linguagem para português do Brasil. Clique lá no quadradinho verde escrito “Add to Firefox” para instalar. Ele vai pedir então para reiniciar o Firefox. Permita o reinício, e agora vá até o link para instalar o dicionário do corretor ortográfico para língua portuguesa . Ele vai pedir para reiniciar de novo. Permita, e depois que reiniciar, experimente digitar uma palavra com grafia incorreta em um formulário, por exemplo, para comentar este post. Voilá, agora ele alerta o erro!

Agora não tem mais desculpa para escrever “elecóptero” ou “coinsciência” ou “célebro”! Lembre-se, se você se deu ao trabalho de escrever um texto ou comentar um assunto, é porque deseja que sua opinião seja lida. E textos com erros grosseiros dificilmente são lidos, e quando o são, perdem em credibilidade. Eu por exemplo, depois que instalei este programa, só cometo erro agora de concordância, conjugação verbal e pontuação! 😉

Recaptulando os links:

Download do navegador Firefox.
Pacote da Linguagem para Português do Brasil.
Dicionário e corretor ortográfico Português-BR.

Obs: algumas vezes pode dar erro quando clica para instalar. O que você pode fazer, se for o caso, é ao invés de clicar no botão verde para instalar, clica lá com o botão direito do mouse e coloca “Salvar Link como”. Daí pegue o arquivo que você salvou, que vai terminar com “.xpi”, segure com o botão esquerdo do mouse e arraste para qualquer espaço dentro do Firefox. Assim ele vai instalar do arquivo direto de sua máquina.