Alguém fez alguma coisa?

capa veja joao helio

Esta foi a capa da revista Veja, há cerca de 1 ano atrás. O delicado momento na vida da família do pequeno João Hélio, covardemente assassinado por criminosos, foi devidamente explorado por absolutamente todos os veículos de mídia. A sociedade mostrou-se chocada. Entidades de peso como a OAB e Vivas Rio da vida se pronunciaram ferozmente, criticando a ineficiência, corrupção e brutalidade das polícias fluminenses.

A pergunta “Nós não vamos fazer nada?” não foi feita só pela revista. Foi feita por todos que assistiram aos noticiários naquela fatídica noite, e depois, e depois, e depois, por algumas semanas ininterruptamente.

A resposta para a pergunta, já tendo se passado mais de 360 dias, ficou fácil: NADA!

Bem, algumas pessoas fizeram alguma coisa na época. Os policiais militares que conseguiram localizar e conduzir para a Delegacia os algozes da pequena criança, que foram presos e levados à Justiça. De resto, é bem isso. Nada fizeram, nada fizemos, nada foi feito. Medidas pontuais e hipócritas, e só.

Preocupam-se as pessoas apenas quando são elas mesmas vítimas na violência indiscriminada que assola o Rio, o Brasil. Mas preocupam-se também só naquele instante.

Reclamam da total ineficiência do policiamento ostensivo, sem se dar conta de que a linha de frente da PM recebe salários ridículos, que os servidores se expõem à riscos absurdos, que o equipamento de trabalho é obsoleto, que eles são oprimidos por um regime disciplinar incompatível com o exercício da cidadania.

Reclamam do ridículo índice de sucesso nas investigações, da impunidade dos criminosos. Sem se dar conta que os policiais civis recebem também salários vergonhosos, trabalham com menos da metade do efetivo necessário, e não possuem a menor condição material para proceder às investigações, resumindo-se a classe à meros digitadores de ROs ou robôs de guerra nas favelas.

NADA foi o que fizeram. NADA é o que parece irão fazer, salvo passeatas pedindo paz , cruzes ou rosas fincadas na areia da praia, ou atos teatrais banhados de tinta vermelha. Tudo isso dá muito ibope, muita luz, câmera, e fama. Sem ação. Não creio que isso vá ajudar muito…

Novos Lugares da Cidade Maravilhosa(?)

sergio cabral rio mais violento

Reciclando uma velha “piada” que circulou há alguns anos, com os nomes reais para quem não conhece o Rio saber:

Por Decreto-lei do Governo do Estado do Rio de Janeiro, os Bairros e algumas localidades vão mudar de nome, a começar pelo da própria (ex) Cidade Maravilhosa que passará a se chamar Tiro de Janeiro

Os bairros serão:

  • Jardim do Pânico (Jardim Botânico);
  • Lebronx (Leblon);
  • Coca-bacana (Copacabana);
  • Barra Pesada da Tijuca (Barra da Tijuca);
  • Passafogo (Botafogo);
  • Recreio dos Traficantes (Recreio dos Bandeirantes);
  • Ilha do Seqüestrador (Ilha do Governador);
  • Assalto da Boa vista (Alto da Boa Vista);
  • Piedade! Não me Mate! (Piedade);
  • Largo do Metralha (Largo do Mendanha);
  • Corre, Velho! (Cosme Velho);
  • Maria Desgraça (Maria da Graça);
  • Del Gatilho (Del Castilho);
  • Tirojuca (Tijuca);
  • Atiraí (Andaraí);
  • Tiro comprido (Rio Comprido);
  • Bem-não-fica (Benfica);
  • Estácio-nou, perdeu (Estácio);
  • Cacetete (Catete);
  • Modureza (Madureira);
  • Senador morrerá (Senador Camará);
  • Honório Cruel (Honório Gurgel);
  • Ilha de Bagdá (Ilha de Paquetá);
  • Cidade Cova (Cidade Nova);
  • Jerusaleme (Leme);
  • Irajaque (Irajá);
  • Gaza-tiba (Guaratiba);
  • São Encurralado (São Conrado);
  • Roubalengo (Realengo);
  • Engenho de dentro da bala (Engenho de Dentro);
  • Jacareparapapapapatibum (Jacarepaguá);

ps: quem souber o autor da imagem acima avise para que sejam dados os devidos créditos.