A Quem Tentamos Proteger?

As vezes conheço pessoas que me fazem pensar sobre o quanto eu devo (ou devia) me dedicar ao trabalho policial, à melhoria da segurança pública. Mas muito mais comumente encontro pessoas que me fazem querer jogar tudo pro alto, enrolar ao máximo para cumprir meu dever e se possível não fazê-lo.

Sério, tem gente, e não são poucos, que nos surpreendem com suas atitudes, descaso, ignorância e falta de respeito com o próximo. Obviamente são estas pessoas as que mais aparecem nas Delegacias Policiais ou ligam para o 190 da PM. Muitas vezes na condição de autores de crimes, mas muitas e muitas vezes também na condição de vítimas de outros crimes. A vítima de uma ocorrência qualquer, principalmente de lesões corporais, ameaças e coisas do gênero, freqüentemente está relacionada como praticante do mesmo crime contra outras pessoas. Isso é mais comum nas ocorrências que no Rio chamamos de “feijoada”: brigas de vizinho, marido e mulher, casas noturnas, etc.

Em todas essas ocasiões me pergunto: É para defender este tipo de gente que arrisco a vida e ia trabalhar na folga?

Estava pensando nisso depois de “ler” uma reportagem em um jornal tablóide que um colega comprou hoje em uma banca de jornais. Ele na verdade comprou o exemplar só para ver melhor a foto de duas mulheres que expõem a bunda na capa. Ei-la:

capa jornal bunda mulher

Acontece que depois fui ver a reportagem sobre a operação realizada pela PM e deparei-me com isto (clique na imagem para aumentar um trecho da “reportagem”):

jornal podrao

Policial leva teco” ? “Ele levou chumbo” ? Deixo aos leitores decidirem o quão apropriado é referir-se de tal maneira à morte de um cidadão que apenas estava trabalhando em uma missão que, a despeito de minhas opiniões, visaria a realização de um bem comum à todos os cidadãos de bem.

Meus sentimentos à família de mais um policial militar assassinado enquanto cumpria o desgastante e irreconhecido dever de proteger esta esta sociedade…

19 ideias sobre “A Quem Tentamos Proteger?

  1. Falta de respeito total! A sociedade é de uma hipocrisia absurda…

  2. Bom, esse “jornal”, desde lançado, sempre foi assim; gosta de utilizar palavras fortes, chocantes ou que cheguem mais próximos ao lingüajar do povo. Infelizmente, eles escrevem essa cagalhopança, senão o jornal não vende.

    Concordo que é uma total falta de caráter para com o policial e sua família.

  3. Por pouco não podemos dizer que a noticia faz apologia ao crime. Talvez seja até exagero, mas dá a impressão que tablóide esteja “do lado” dos bandidos. Trabalho em moto patrulha e ontem pela manhã fui a um lava-jato para realizar a limpeza na minha companheira de trabalho (pagando lógico, não era favor. Não gosto de ficar com o ‘rabo preso’). Fui recebido de forma indiferente e o dono/lavador não veio nem falar comigo. Depois fiquei sabendo que ele não gosta de polícia. Meu pai que ficou com a moto enquanto dei uma saída do local discutiu com ele dizendo que quem não gosta de polícia é BANDIDO! Ôh sociedadezinha hipócrita do baralho! As vezes me dá desânimo. O pior (ou melhor) é que não consigo deixar de gostar deste trabalho.

  4. O jornal por si só já é um desrespeito, este tipo de publicação sensacionalista e de linguajar chulo, para mim sequer deveria existir, pois não acrescenta nada.
    Entretanto, acredito que mesmo dentro da “linha editorial” do jornal, daria para escrever a mesma notícia, ainda que de maneira forte e sensacionalista, mas de forma respeitosa com o policial morto.
    Enfim mais um exemplo do descrédito das forças policias brasileiras e da forma repugnante com que a “sociedade” as trata, quando não precisa delas.
    Infelizmente

  5. Prezado companheiro,
    entendo a sua indignação! Eu tb fico indignado com uma situação dessas, devido uma sociedade hipócrita e ingrata. Vc transparece ser um pessoa do bem, de valor e que respeita o próximo. Não é a toa que vc é um policial, um policial de verdade que honra a corporação e cumpre a lei. Não deixe que os mesquinhos de plantão sejam eles da sociedade ou “amigos” desanimá-lo e tirá-lo do caminho que vc escolheu. Infelizmente o povo gosta de tragédias, e estes jornalzinhos adoram fazer sensacionalismo com a degradação humana e com a violência. Tem pessoas que já ao levantar não sossegam enquanto não compram o jornaleco para ver alguma tragédia, algum assassinato, (esquecem que algum parente ou até eles mesmos possam ser atingidos pela violência)banalidades e principalmente bunda pelada. Já vão para o trabalho com energias ruins, pensamentos ruins devido as notícias ruins destes jornalecos. Aqui em Minas, na Capital já tem dois jornalecos que estão neste caminho e são campeões de venda, pq vendem na capa a violência e o erotismo. A maioria gosta disso!
    Força e luta companheiro, a Polícia precisa de policiais como vc!

    Saudações,

    Unious

  6. ESTADO DO RIO DE JANEIRO

    CONCURSO PARA ADMISSÃO DE 20.000 POLICIAIS

    Jovens com idade entre 18 e 25 anos, saudáveis, sem vícios
    Que tenham no mínimo o 2º grau completo
    Incorruptíveis, honestos, valentes, destemidos
    Que queiram defender a sociedade deste estado que há décadas vem sendo massacrada por marginais narcoterroristas, traficantes, assaltantes, assassinos e ladrões devido ao abandono secular em que os políticos condenaram a mesma população não investindo em saúde, segurança e educação.

    Garantimos aos aprovados:
    Uma vida cheia de aventura, suspense, terror, confrontos a bala diários…

    Exigimos:

    Que seja solteiro e more com os pais ( pode se casado contanto que tenha casa própria )
    Que já possua sua arma de calibre permitido ( no máximo pistola .380 )
    Que já tenha carro ( se tornará muito perigoso andar de ônibus e armado )
    Que já tenha plano de saúde
    Que trabalhe por vocação, não por salário
    Que não questione o estado de conservação das vtrs em que trabalhará nem dos coletes balísticos, quando disponíveis
    Que não se importe em trabalhar de noite, em finais de semana e feriados – Natal, Ano Novo, Semana Santa, Caraval, etc.
    Que não cobre por horas extras, adicional noturno, insalubridade, estas bobagens

    Oferecemos:

    Salário incial de R$ 786,69
    Reajuste anual de 4% ( em 25 anos estará ganhando R$ 1.573,39 – quase a terça parte do que percebe hoje um policial rodoviário federal!!!!!!!!!!!, não é excelente? )

    Se nos próximos concursos os candidatos vissem assim o edital, o número de inscritos seria cada vez menor até que o governo enxergasse que exige muito e oferece nada a quem se oferece para defender a sociedade.
    Porém, em um país de maioria miserável, qualquer vaga é disputada por milhares, fazendo com que a lei da oferta e da procura empurre os salários para baixo, do que se aproveitam os governadores.

    http://policiaqueprecisamos.blogspot.com

  7. Frases soltas, fora de um contexto, que em nada contribuem, dirão alguns intelectualóides.
    Mas para nós, policiais civis e militares que as ouvimos todos os dias e muitas delas às duas, três, quatro horas da manhã, fica claro que nossa missão não se resume em combater a criminalidade apenas.
    Disponibilizar nossas vidas para defender a sua é só uma delas.
    Somos nós quem atendemos essa população que como nós, tem problemas que precisam ser resolvidos.
    Ainda bem que na Academia de Polícia recebemos (?) orientação para mediar conflitos, aconselhar, ” julgar”, intermediar, ouvir, calar, consentir, negar, agir como psicólogo, padre, defensor, promotor, juiz, policial, amigo, confidente…
    E manter a calma.
    E não errar.
    E representar bem o estado, que insiste em responder a nossas reinvindicações com as duas primeiras:

    ” Ser policial é um sacerdócio.”
    ” Quem entra pra polícia já vai sabendo que o salário é baixo.”

    ” Quem mandou não estudar? ” ( Ué, afilhados de certos políticos ganham muito mais do que nós e a eles só é exigido serem fiéis. )
    ” Vem cá, na sua família só você não tem juízo?” ( Por ser policial.)
    ” Moço, me ajuda, acabei de ser assaltada. Ele tá armado!” ( Em situações assim que o policial, no ímpeto de defender o fraco, morre. )
    ” Ué, e vocês estão aqui pra quê? ” ( Exigindo que resolvamos o problema de qualquer jeito ).
    ” Eu pago o teu salário! ” ( E paga mal. )
    ” Só agora vocês chegam? Agora não precisa mais! ” ( Reclamando quando a PM chega ao local de ocorrência. Sequer reparam na viatura, caindo aos pedaços. )
    ” Meu carro tá dentro da favela. O que vocês vão fazer? ” ( Sem sequer perguntar se estamos usando a carapaça de aço e invisível que ganhamos quando somos admitidos. )
    ” O cara que roubou me celular tá pedindo dinheiro para devolver. O sr. vai lá pra mim? ” ( Vá, invada, mate, morra, mas traga meu aparelho de volta. )
    ” Pérae, só vocês dois? Eles são quatro e estão todos armados! ” ( Espantados quando apenas dois policiais militares ” superentusiasmados ” se põem a perseguir os assaltantes. )
    ” Meu marido me bateu e me expulsou de casa. ”
    ” Meu filho está desaparecido há cinco dias.”
    ” O cara me roubou 3 mil reais. Se você chegar a ele te dou cinco para matá-lo.”
    ” Quero ver quem vai resolver meu problema! ” ( Aqui dá vontade de responder que nós perguntamos isso há anos. )
    ” Deixa eu ficar aqui essa noite. É que meus pais me expulsaram de casa.” ( Na DP, duas da manhã.)
    ” Que demora! ” ( Todos têm pressa. Nós também. )
    ” Meu vizinho jogou guimba de cigarro no meu quintal.”
    ” O cachorro dele fez cocô na minha calçada. ”
    ” Quero fazer um Registro pra não pagar segunda via de documentos. Ah, põe aí que eu fui roubado.”
    ” Meu pai me bateu.”
    ” Minha mãe me bateu.”
    ” Meu irmão me bateu.”
    ” Minha irmã me bateu.”
    ” Acho que mataram meu gato.” ( Dito na DP por uma senhora, conduzida por policiais militares, a uma da manhã. Eles não têm nada pra fazer mesmo.)
    ” Alô!!! quero fazer uma denúncia. O elevador do prédio enguiçou! ” ( E lá vai a PM ” desenguiçar ” elevador.)
    ” Seu policial, não consigo dormir com esse barulho que vem da casa ao lado! ” ( A PM vai ao local manda abaixar o som. A PM sai do local e o som é aumentado…)
    ” Depois querem aumento. Não fazem nada! ” ( Risos.)
    ” Moço, no mês passado, o cunhado da vizinha disse que o irmão dele falou que se o vizinho do meu primo olhasse para ele…” ( Como resolver?)
    ” A gente tava num churrasco aí de repente sumiu um pedaço de carne. Ae já viu. Estancou a porradaria geral. ” ( É quando a PM lota um ônibus com quinze envolvidos, que depois de três dias, já sóbrios, voltam à DP para tirar a queixa.)
    ” Vem cá, ficam só vocês aqui dentro a noite toda? ” ( Espanto de alguns ao perceberem o efetivo nas DPs.)
    ” Atenção todas as viaturas. Troca de tiros entre policiais e diversos elementos fortemente armados. Queiram se deslocar para o local em apoio e com a devida cautela. ” ( É rezar e ir.)
    ” Alerta a todos. Policiais encurralados. Há notícia de feridos. ” ( Ídem.)
    ” É mesmo? Só? Meu encarregado ganha mais do que isso.” ( A encarregados é exigido que grau de instrução? )

    É. De fato somos muito bem pagos diante do nada que representamos.

    http://policiaqueprecisamos.blogspot.com/

  8. A Fábrica de Registros de Ocorrências
    Ainda falando sobre o tempo desperdiçado por nós, os poucos policiais civis e militares deste estado, discorro agora sobre os Registros de Ocorrência feitos na hora da raiva. Já disse que milhares de ROs poderiam deixar de ser feitos, como os que o são para tirar segundas vias de documentos e os arquivados ( em linguagem mais simples ) nos Fóruns porque as vítimas não sustentam as queixas, que como dito, são muitas e tomam a maior parte do nosso tempo. Advém que os crimes mais graves ficam para segundo plano.
    Então existem vários tipos de Registros de Ocorrência:
    O RO Social -apesar de notarmos que a “vítima” está mentindo acabamos por atendê-la, para que ela não pague para retirar documentos;

    O RO-Vingativo – quando duas ou mais pessoas discutem e, como nestes casos ninguém profere elogios, ocorrem xingamentos. Coisa boba. Aquele que se sentiu ofendido vai à DP para exigir que o “agressor” se retrate, enfim desejando processá-lo. Não adianta tentar dissuadi-los. Eles evocam o Código Penal, o Civil, o Militar, a Constituição… Três dias depois retornam para tirar a queixa;

    O RO-Tava-Duro-Vendi-Meu-Celular/Nextel-Mas-Tenho-Seguro-E-Preciso-De-Um-RO-Provando-Que-Fui-Roubado – vou publicar um post sobre este assunto. Você já viu como virou moda usar tais aparelhos?. É como o celular igual a celulite que ” qualquer bundão tem “. Muitas, muitas pessoas fazem isso pois são orientadas por alguns atendentes das operadoras a apresentarem um BO (RO) e assim ganharem um outro aparelho. É mais ou menos assim: ” Pena que o sr. tenha perdido seu aparelho porque o seu seguro garante outro em caso de roubo ou furto. Em apresentando cópia de um BO ( Boletim de Ocorrência, em outros estados ) poderemos estar lhe enviando um outro “. E dizem que isso não é induzir a alguém.

    O RO-Assombração – esse geralmente é feito por mulheres que para terem o namorado, o marido, o noivo de volta, prestam queixa por qualquer motivo ( e cada um mais absurdo que o outro ) e de posse do RO, vai até ele mostrando que o levará às barras da justiça. Em 80% dos casos o ” autor ” comparece na delegacia acompanhado dela, de mãos dadas e aos beijos. É quando a vítima presta novo depoimento retirando a queixa pois ” só queria dar um susto nele “;

    O RO-Já-Que-Ele-Deu-Queixa-De-Mim-Vou-Dar-Uma-Contra-Ele – quando ocorre duplicidade de ocorrências. Fulano vai dar queixa de ciclano que dias depois presta a mesma queixa contra fulano. Dois policiais investigando o mesmo fato. É isso mesmo: investigando! Afinal, ouvimos vítimas, autores, testemunhas. Solicitamos exames, laudos, Boletins de Atendimento Médico. Depois elaboramos informação por escrito ao delegado, que por sua vez remete a papelada à justiça.
    Isso acontece sim. Todos os dias e muitas vezes ao dia. Basta as autoridades repensarem o papel das polícias que seremos mais pró-ativos. E a PM também paga seu preço porque em muitas das vezes uma viatura é encaminhada ao local para levar as partes à DP, sendo que eles, policiais militares, também são envolvidos na ocorrência, onde um deles é ouvido como condutor-testemunha. Então encontram uma fila-monstro; aguardam uma, duas horas para serem atendidos e enquanto isso as ruas ficam sem patrulhamento. E a culpa recai sobre nós, policiais civis que, voltando ao assunto motivo deste blog, PERDEMOS TEMPO INVESTIGANDO OCORRÊNCIAS como as elencadas acima.
    E não acabam por aqui…

    http://policiaqueprecisamos.blogspot.com/

  9. Podemos ser (mais) úteis?
    A fim de tentar minimizar o trauma de quem é roubado, o governo do estado isenta as vítimas do pagamento de Duda para a retirada de documentos emitidos pelo DETRAN, sejam eles pessoais – CNH e Identidade – ou os do veículo. Boa idéia. É louvável.
    O crime de roubo é aquele em que o autor usa de violência ou grave ameaça. Ele pode estar armado com fuzil ou mesmo desarmado. É o caso de um faixa preta fortão com 20 anos que se aproxima de uma velhinha de 80 e manda que ela lhe entregue a bolsa senão a mata. Haveria como ela resistir?
    Mas eu não quero fugir do assunto.
    Aí a vítima vai até a DP onde é feito o RO e além deste documento ela leva um outro que a encaminha ao DETRAN isentando-lhe de pagar para retirar aqueles documentos. A ela mostramos álbuns fotográficos. Já ocorreu de outros criminosos serem reconhecidos nesses álbuns. É raro mas acontece. Encaminhamos também cópia da ocorrência ao Batalhão da área, ao IFP, ao próprio DETRAN, à DRFA…
    Ocorre que a ” benesse ” também foi estendida a quem é furtado. Furto é quando, por exemplo, deixamos o carro ali na rua e vamos ao banco. Ao voltar não o encontramos mais e temos a certeza de que ele não foi rebocado.
    O diabo é que em um país em que a população ganha tão pouco qualquer trocado que se economize é bem-vindo. Então ” se eu perdi meus documentos tenho de pagar para ter as segundas vias porém se eu tivesse sido roubado ou furtado… Ei. Perae. Tive uma idéia!”
    Os tímidos geralmente contam que foram furtados. Não sabem onde, nem como, nem quando ” só sei que fui furtado ” e sequer admitem a hipótese de terem perdido a carteira. ” Não! Eu tenho absoluta certeza que alguém deve ter metido a mão no meu bolso “.
    Já os mais saidinhos afirmam, geralmente sem olhar para a cara do policial que o está entrevistando, que ” eram três e estavam armados” ou ” eram negros, de roupa preta, em um carro preto “.
    A experiência acaba fazendo com que percebamos que a ” vítima ” está faltando com a verdade. Mas vá o policial tentar desmascará-la ali na DP, na frente de todos. Seria muita insensibilidade. Fingimos que acreditamos e pronto. Mas há casos e casos, porém.
    Disse tudo isso para poder vincular este post ao anterior onde perguntei ao cidadão se ele quando aciona a polícia – seja militar ou civil – está certo de que não resolveria seu problema de outra forma. Isso porque nestes casos dos Registros de Ocorrências Sociais também há, e muito, desperdício de nosso tempo que poderia ser utilizado na tentativa de se investigar o autor de estelionato, de saidinha de banco, de homicídio…
    Nada tenho contra não cobrar taxa para emissão de documentos; pelo contrário. Penso que em nenhuma hipótese deveria sê-lo, mas já que é assim não existiria outro órgão estadual que pudesse emitir tais isenções? Temos mesmo que fazer ROs para isso?
    Sugiro o seguinte: teve os documentos furtados? As atendentes das DPs fariam um Registro de Extravio de Documentos onde constaria que a pessoa se compromete a retornar à DP caso os documentos fossem utilizados de forma fraudulenta. Seria então feito um Registro por nós, policiais, para tentar se chegar ao autor. Ou seja, registar para investigar e não registrar para arquivar.
    Não é difícil imaginar quantos Registros de Ocorrência deixariam de ser feitos e proporcionalmente quanto tempo a mais teríamos para investigar criminosos de verdade que tanto mal fazem à sociedade.
    Seríamos mais úteis.

    http://policiaqueprecisamos.blogspot.com/

  10. Há de se fazer uma escolha?

    Dizem que ela existe pra ajudar
    Dizem que ela existe pra proteger
    Sei que ela pode te parar
    Sei que ela pode te prender
    Polícia para quem precisa
    Polícia para quem precisa de polícia

    É. Os Titans estão certos!

    polícia sf 1 Conjunto das leis que asseguram a ordem pública. 2 A corporação incumbida de mantê-la. s 2g Policial.

    policiar v 1 Vigiar, manter a ordem conforme os regulamentos policiais. 2 Conter; refrear.

    Quando você cidadão pede socorro, seja através do 190 ou indo a uma Delegacia da Polícia Civil, está certo de que o passo que vai dar será mantido até o final ou o faz apenas para ” dar um susto ” no vizinho, cunhado, tio, pai, irmão, primo, ex-esposa/marido…?
    Você tem consciência de que a polícia anda muito ocupada combatendo narcoterroristas, assaltantes, assassinos, estelionatários e que o seu pedido de ajuda pode estar impedindo que uma investigação digamos mais séria se dê, para atendê-lo?
    Tem ceteza de que após acionar o estado através das polícias, hospital, perícia e justiça não vai aceitar um aperto de mão como pedido de desculpa, o que poderia ter conseguido se pessoalmente procurasse quem o xingou e aceitasse suas desculpas?
    Refiro-me aos procedimentos que têm de ser tomados quando os crimes são de menor potencial ofensivo, de grande demanda nas DPs e que após investigação são remetidos para os Fóruns e que em sua maioria termina em aperto de mão ou um tapinha nas costas acompanhado de um pedido de desculpa.
    Cito um exemplo em que uma senhora foi xingada por filho de moradora do condomínio em que era síndica. Dele, a queixosa só tinha a placa do carro e o primeiro nome. Iniciada a investigação – Injúria, demorei 45 dias para chegar ao autor, porque o veículo não estava em seu nome e foi preciso entrevistar quatro ex-proprietários do carro até que chegasse ao atual na época, que negou ter proferido tais xingamentos aproveitando-se de não ter restado testemunha. Fato é que mais de três meses depois o caso foi arquivado no primeiro encontro com o conciliador, tendo a vítima dito a mim que este a convenceu a esquecer a ofensa…
    Talvez para ela alguma justiça tenha sido feita, haja vista ter incomodado a quem a ofendeu obrigando-o a ir ao Fórum. Mas para aquelas vítimas de estelionato, de roubo e de outros crimes mais graves que não obtiveram justiça porque, muito mais complexas, tais investigações demandam tempo, o que não temos justamente pelo elevado número de queixas como a da síndica, elas se sentem plenamente atendidas pela polícia? Claro que não! Então, cidadão, o que você prefere? Que tiremos de circulação criminosos de alta periculosidade ou que gastemos nosso tempo em investigações que serão arquivadas posteriormente em sua grande maioria?
    Infelizmente não há policiais o suficiente para que todos mereçam nosso total empenho. Há de se fazer uma escolha…

    http://policiaqueprecisamos.blogspot.com/

  11. Minha nossa… chego a sentir vergonha ao ler uma coisa como essa… confesso não ter visto este “jornal”… e confesso que peço a Deus todo e cada dia que jamais permita com que eu me perca a ponto de um dia passar por minha cabeça escrever algo assim… e que, caso passe, que minhas mãos jamais sucumbam…
    São exemplos que me deixam, infelizmente, envergonhada… assim como sei que alguns policiais também deixam vários outros (a maioria) da mesma forma…
    Lamentável…

  12. A desgraça de quem lida com a marginalidade parece piada… se não fossem pessoas como você, que expõe o ridículo, essa situação se perpetuaria.

  13. É agora policiais militares e civis deste estado que vocês deveriam mostrar coragem e dizer NÃO, OBRIGADO aos governos estadual e federal. Vcs os colocariam em cheque mate. Estas obras eleitoreiras vão empurrá-los para um grande confronto com grandes chances de muitos policiais serem mortos. Digam não. Não vão. Exijam respeito, algo qe nunca tiveram das duas esferas governamentais. O min. quer dar 190 reais para viúvas/mães de policiais assassinados, isso se elas provarem que precisam. O governo do estado “deu” 4% ano passadoe este ano está acenando com 24% – 1% ao mês. Organizem-se. Elejam um líder e fechem com ele. Que ele diga nas tvs, rádios, jornais e blogs que os policiais dispensam esses 400 reais a mais para doarem suas vidas. Eles que chamem as forças armadas ou a FNS, cujos soldados ganham ais de 3 mil. Respeito! É do que vcs precisam. Não noaram que após isso o governador se reelege e o presidente ao seu candidato e que vcs continuarão na mesma m… de vida. A oportunidade está em suas mãos. Avante

  14. Pois é… tablóides.

    Victor e Pepe: estou devendo um post para ajudar a divulgar os novos blogs que vocês criaram, e vou ver se o faço quando estiver em casa. Blogosfera policial cada vez mais forte!

  15. Numa sociedade como a nossa, onde a mediocridade, a falta de cultura e o pensamento imediatista ficaram cunhados como se as mais verdadeiras e sólidas soluções fossem, a morte de um policial que luta para protegê-la, é vista como um perda sem importância por alguns meios.

    Sei que são palavras duras. Mas é a realidade. Nós cidadãos de bem, vemos os marginais galgarem degrau a degrau as escadas dos palácios e tribunais. Estendendo seus tentáculos imundos na direção de tudo que é bom e honrado. Para certos políticos e “autoridades” quando um marginal tomba, é motivo de choro e velas. Afinal, é mais uma maneira de aproveitarem a exposição que a mídia de massa oferece.

    Quando o tombado é um homem de bem, seja policial ou cidadão; ele é imediatamente relegado a condição de número. É “mais um”, num mar de mortes evitáveis se medidas simples fossem tomadas. Contudo essas medidas, podem gerar desgaste político e “burburinhos” indesejados em certas camadas da “sociedade” e nossas “autoridades” negam-se a abrir mão de um voto sequer. Venha de onde vier.

    A dor e a amargura, são companheiras dos que ficam. A indiferença é a oferta das “autoridades”. O respeito é apenas o mínimo que, o cidadão de bem, pode oferecer. E, mesmo assim, sempre será insuficiente.

  16. CIVIL: apaguei seu comentário (obs. sempre que apagar algum de qualquer um avisarei, acho devo satisfação à todos que escrevem aqui). O motivo: os policiais estão preparando sua defesa, com fatos que não foram abordados pela mídia ainda. Pedido deles para não revelar nenhum detalhe. Valeu amigo.

  17. É ISSU KI VEMUS …A IMPRENSA SÓ KER VENDER Ñ IMPORTA SE É MORTE DE POLICIAL OU BANDIDO PRA ELES Ñ PASSA DE NOTICIA ATÉ COM OS PRÓPRIOS COMPANHEIROS DELES…SÃO UNS MONTROS SANGUE SUGA DO ….(BARALHO) SÃO MAIS SUJOS KI OS PORCOS
    ESTÃO SEMPRE DIZENDU SOBRE LIBERDADE DE EXPRESSÃO…ISSU É LIBERDADE DE EXPRESSÃO TRATAR POLICIAS DESSA FORMA , QND KEREM MATÉRIA DE TIROTEIO ELES CORREM PRA ONDE PRA TRÁS DO POLICIAL QND KEREM MATÉRIA DO TRÁFICO ELES SOBEM AS FAVELAS E COMPRAM ATÉ DROGAS ….É ALIMENTAM O CÃO SARNENTO…CAVAM SUAS PRÓPRIAS COVAS..!!!!!!!!!!!!!!! VIVAM COM ISSU …OU LUTEM TENTANDU MUDAR O MUNDO FAÇO ALGUMA COISA PELO SEU FILHO KI AMANHÃ PODE ESTAR CAIDO NUMA ESKINA …!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *