Início » Notícias em Análise

A culpa foi da Polícia!

Publicado em 26/12/2007 - Categoria: Notícias em Análise

Há mais de um ano atrás, uma cena chamou a atenção no Rio. Um homem que desconfiava estar sendo traído por sua mulher a dominou, fazendo uso de um revólver cal. .38 e a forçou a subir em um ônibus, onde encontravam-se mais 38 passageiros.

A Polícia foi chamada, foi feito um cerco ao ônibus e isolamento do perímetro. Os passageiros eram mantidos reféns, e policiais civis e militares tentavam contornar a situação. Estava presente também um negociador do BOPE e um Promotor de Justiça, todos tentando convencer André Luiz a se entregar e liberar os reféns. Enfim, o caso já foi inclusive abordado em um post antigo, que tratava sobre o papel da vítima de violência doméstica na segurança pública.  No site do Globo ainda tem a matéria lembrando do caso, inclusive com uma foto da ação.

Acontece que a juíza responsável pelo caso absolveu o acusado, argumentando que ele agiu em legítima defesa, e que foi tudo uma farsa. Na verdade, conforme interpretação da magistrada, quem resolveu todo o caso foi o Promotor que lá se encontrava, e a Polícia só atrapalhou tudo, fazendo um grande teatro.

O cara só entrou armado em um ônibus e manteve refém sua mulher e outras pessoas que nada tinham a ver com aquilo, porque tinha medo de ser morto pelos policiais militares que primeiro chegaram ao local, chamados pelas pessoas que testemunharam o início da ação criminosa. O cara seqüestra um ônibus em legítima defesa!

No relatório da sentença, argumenta ainda que “Naquelas circunstâncias de evidente perigo de vida, sob a mira de um fuzil portado por Policiais Militares, seria a mesma praticada por qualquer pessoa que se visse na iminência de ser morta por um equívoco policial”. Como assim qualquer pessoa?

Eu não. Primeiro que se eu não tivesse porte de arma eu não andaria armado. Também não imagino em hipótese alguma ter que puxar uma arma ou ameaçar minha esposa, eu sou homem, não bandido. Além disso tudo, invadir um ônibus e ameaçar também dezenas de pessoas… quem não se lembrar do seqüestro do ônibus que acabou com a morte de uma passageira e do criminoso, fato que já foi inclusive oportunamente explorado pela indústria cinematográfica? Imagine o terror das pessoas que estavam dentro do ônibus, e nem imaginavam tratar-se de uma “briguinha doméstica” com requintes de fraqueza moral.

Ah, mas o Promotor que estava presente no dia conseguiu resumir tudo: “Carlos Guilherme relata a desastrosa atuação das polícias Civil e Militar na ocasião, onde eram formadas cenas cinematográficas com atiradores de elite, vestidos à caráter, diversos helicópteros sobrevoando o local, milhares de policiais civis e militares, diversas viaturas policiais, em situação que aumentou a tensão, inviabilizando as negociações do depoente”.

Ah, esses malditos milhares de policiais civis e militares que não tinham mais nada para fazer a não ser atrapalhar a legítima manifestação de um brabo traído…

Durma-se com um barulho desses.

13 comentários »

  • Deco/MG comentou:

    Chama o ladrão!

  • Deco/MG comentou:

    Agora vou comentar de verdade.
    Mas o que dizer?
    As vezes tenho a impressão de que vivo em outro planeta. Cada vez que abro uma página na internet, vejo um absurdo maior que o outro. Da vontade de jogar tudo para o alto e esquecer que tenho que defender a lei. Defender como, se os operadores dessa lei fazem o que fazem?
    Sei bem como é essa situação de passar de mocinho a bandido. Fico pensando se vale a pena acordar cedo todos os dias e sair por aí, arriscando meu pescoço por essa sociedade em que vivemos. Parece que ninguém mais leva nada a sério nesse país. À infeliz magistrada que teve esse lampejo de genialidade, peço a Deus que nunca veja um de seus filhos sob a mira da arma de algum débil mental cheio de razão, a lavar sua honra com sangue, principalmente com o de quem não tem nada a ver com o chifre.
    No mais, meus amigos, CHAMA O LADRÃO!!!!

  • Victor comentou:

    É preocupante saber que alguém com essa visão concentra tanto poder e autoridade… Pobres de nós!

  • Deco/MG comentou:

    Nossa, cada vez que leio isso, menos eu acredito.
    Dá vontade de xingar a noite inteira.

  • Desanimado comentou:

    Notícias como essa, cada dia mais me convencem de que nos dias atuais não dá mais pra continuar na PCERJ, sorte que ao que parece no ano de 2008 as portas de saída da Gloriosa estarão mais abertas do que nunca. Rumo à PRF,PCDF,PF ou qualquer outra que o valha.
    Forte abraço aos guerreiros.

  • Bradock comentou:

    Amigos, é por estas e outras que eu falo: Faltam dois anos e sete meses e alguns dias para partir para o batalhão de chapeu. infelismente fico preocupado com o que irá sobrar da Segurança Pública em nosso país, sentenças como esta de Magistrada e simplesmente ‘ASSUSTADORA”, ainda bem que existem muitos promotores para cuidar da Segurança Pública, já que nós não entendemos mesmo de nada. o poeta já estava certo “Meus heróis morreram de over dose…” Um forte abraço aos Guerreiros.

  • Snake.rlz comentou:

    Como alguém igual essa juíza e esse promotor passam num concurso desses?

    Tá doido, dá ódio duma coisa dessas. Estraga o dia.

  • Eduardo/RJ comentou:

    Difícil falar sem ler o que consta nos autos, mas ingenuamente imagino o que foi feito quanto ao porte ilegal de arma. Ou ele tinha autorização legal para isso?

  • Raphael Ferrari comentou:

    Cachorro morto todo mundo chuta. Ademais, gostaria de lembrar que a negociação para a libertação de reféns é uma atribuição da polícia estadual, a saber, da polícia civil.

    RAPHAEL FERRARI
    Policial Estadual – Delegacia de Polícia Estadual Anti-Sequestro (DAS/RJ)

  • Simpson comentou:

    O pior é que acontece todos os dias neste RJ, levamos vários traficantes p/Justiça, mas no dia do depoimento os “puliuças” são tratados como vagabundos, tanto pelo MM Juiz, como pelo MP, já na segunda pergunta eles nos lembram que podemos sair presos da sala, contudo se esquecem do trabalhão que deu p/prender os marginais, e em menos de um mês eles estaram livres e ameaçando a vida dos guerreiros, isso é de praxe. Os mais cascudos nos repassam “todo Juiz tem um preço”, e agora eles estão soltando os vagabas alegando que não há vagas nos presídios, enquanto o cidadão que paga todos os tributos, tem que viver enjaulado e com medo. Infelizmente é complicado ser comunicante e/ou testemunha em um flagrante no Brasil, porque mesmo que o acautelado não tenha din-din p/pagar as “custas”, ele sairá do blindão no indulto de Natal, ou dia das mães, e não volta, porém se for um policial a marretada é forte e tranca sem benefícios.
    Por essa e p/outras que a maioria dos colegas da antiga não trabalham mais, uns estão fantasmas, outros se aposent., muitos passaram em concursos diversos, alguns são profissionais liberais ou empresários e entragaram a carteira, porque ninguém fica uma vida inteira dando murro em ponta de faca. Correto companheiro?
    “Noix prende a Jurtissa sorta”.

    Marcos

  • Bradock comentou:

    Continuo a dizer, é lamentável ver o que estes Magistrados Juntamente co o ministério público estão fazendo com a Segurança Pública. Quando acontece alguma coisa com eles: Chamam os “cascudões” “Dinossáros” para resolver estilo Roberto Carlos “A moda antiga” .

  • Nobrega comentou:

    O que dizer? Não sei. Concordo com todos os comentários e vos digo, tenho apenas 15 anos de serviço e já acionei o cronômetro regressivo para me lembrar sempre quanto tempo tenho para pular do barco e me aposentar, e ao mesmo tempo quando digo isso me dá uma tremenda tristeza, não foi pra isso que entrei para a Polícia, não foi mesmo.

  • Portela comentou:

    Tadinho do CORNO, ele tava com medinho da polícia…
    Já saiu de casa armado pensando como faria pra se livrar da famigerada “puliça carioca”…
    Agora me diz, se a polícia não aparece é omissa, se aparece é presepeira e só atrapalha. O promotor é quem resolveu tudo… o sequestrador virou vítima…
    SERÁ QUE TEM ELETROENCEFALOGRAMA NO CONCURSO PRA JUIZ? Pois se não tem deveria…
    Arrego “juíza”! E o porte ilegal de arma? E se fosse seus filhos dentro daquele ônibus?
    Respeite os homens e mulheres que, de armas e coração, defendem o seu direito de ir e vir, pois o poder do seu martelo só vai até onde o fuzil do policial puder ir, senão não há santo que faça cumprir a ordem judicial…

Deixe seu comentário!

Escreva seu comentário abaixo, ou faça um trackback do seu site.

Aviso: Você pode comentar esse artigo e expor suas idéias. Mensagens com palavrão, ofensas, injúria ou difamatórias serã o sumariamente excluídas. Exerça seu direito de expressão respeitando o direito de terceiros.

Gravatar habilitado. Para ter uma imagem pessoal exibida, registre seu Gravatar.