O Caminho que Trilhamos. Sem Retroceder.

É engraçado como o tempo cada vez parece passar mais rápido. Talvez seja algo relacionado com o processo de envelhecimento, mas vejo comentários desse tipo de muita gente bem mais jovem que eu. Como diz minha namorada, eu já nasci velho. E chato. Por isso não me impressionaria se o problema fosse eu, e não o mundo. Mas a quantidade de comentários por aqui significa que não sou só eu o chato.

Desde 2004 um grupo de policiais civis se uniu através de um serviço de mensagens do Yahoo. Intitulado Grupo PCERJ, hoje já contamos com muitos integrantes, mas não convém divulgar aqui os números pois nosso inimigo (quem diria, o próprio “patrão”) está sempre à espreita. Hoje somos mais do que ontem, e menos do que amanhã. Este grupo conseguiu a pequena proeza de unir a jovialidade e disposição de policiais mais novos na corporação com a experiência e hombridade de alguns mais antigos de casa.

pensamentosNão nos damos conta de quanto andamos, por vezes em velocidade tal que nem as sombras conseguiram acompanhar. E assim, volta e meia surpreendemos as tais sombras e lhes puxamos o tapete. Parodiando nosso iletrado Presidente da República, nunca antes na Polícia Civil do Rio viu-se um cenário como hoje. Já houve manifestações de insatisfação, greves, mas não dessa maneira.

Aos poucos os policiais se dão conta que, para provocar um pequeno terremoto, basta que a Lei seja cumprida nos redutos que sustentam o tal do “sistema”. Alguns entram nesta briga vislumbrando um meio de pressão com fins salariais. Outros, além deste mesmo pensamento, aproveitam para fazer crescer a idéia de que, independente de aumento amanhã ou daqui a10 anos, essa imundície tem que acabar. Alguns poucos estão na luta por dinheiro, mas no contra-cheque. A maioria por dinheiro no contra-cheque e HONRA.

Uma frase legal do Tropa de Elite é “quem quer ser policial no Rio ou se corrompe, ou se omite, ou vai pra guerra”. Essa frase é muito verossímil, mas não no sentido literal que impõe o filme. Nossa nova guerra não é contra os criminosos pé-de-chinelo que vende pó para o filho do senador. Nossos inimigos não estão nas favelas, estão nos gabinetes, nos escritórios com ar-condicionado. Nosso inimigo não solta fogos quando a Polícia chega, nosso inimigo manda a Polícia voltar.

O crime comum tem que ser combatido, claro, mas isso nunca paramos de fazer. Apenas acrescentamos alguns alvos. E cada vez mais, estamos chegando perto deles. Quando menos se esperar a casa pode cair, e considerando o tamanho da casa a sujeira vai se espalhar por muitos quarteirões.

Toda essa divagação, que ora dou por encerrada, foi devido a um vídeo que o colega Leo fez, com recortes de nossa batalha. Ver cenas antigas misturadas com as mais recentes acendeu na memória tudo que fizemos neste pouco tempo.

O sempre sagaz Inspetor Chao fez uma analogia de nossa situação com ícones da antiga história oriental, e realmente a definição é perfeita. Os policiais civis, cada vez em maior número, estão se tornando Ronins.

Ronin, o Samurai erranteRonin significa em japonês o “homem onda”, um guerreiro errante como uma onda perdida em meio ao oceano. Eram samurais que ficaram sem seus mestres pela ruína ou desgraça destes. Guerreiros que não se submetem mais. Errantes.

Errantes sempre foram os policiais que não permitem certas situações. Não raro por isso são penalizados com transferências para os limites do Estado. Só que hoje, eles estão se encontrando e se conhecendo. Sem compromisso com acordos espúrios, sem compromisso com a suspeita omissão dos dirigentes e governantes.

Nas palavras do mentor da idéia, “hodiernamente, os Ronins usam distintivos, e reúnem-se aleatoriamente, comunicando-se por meios eletrônicos, tais como rádio, telefone e internet. Também usam filmadoras e máquinas fotográficas digitais, e, tal qual um tsunami, devastam interesses escusos e assombram a todos por sua impetuosidade e inevitabilidade. São audaciosos, corajosos e, ainda por cima, não tem “rabo preso”… Seu único compromisso é com sua consciência. Os modernos Ronins, entretanto, têm em comum com os antigos Ronins uma única característica: a desonra de seus chefes.”

Sem mais delongas, assista ao vídeo feito pelo colega, com passagens da batalha dos policiais civis na luta por dignidade e pelo fim do império criminoso que assola nossas instituições. FORÇA E HONRA!

[youtube UylhZokagjU]

Link para o vídeo da luta dos policiais civis, se não apareceu acima

2 ideias sobre “O Caminho que Trilhamos. Sem Retroceder.

  1. Seria bom que o GrupoPcerj tivesse o mesmo bom senso que; os mesmos muitas vezes tem uma postura beligerante e arrogante em relação a Pm e colocam a coisa de uma maneira que dá a entender que a tiragem apóia incondicionalmente os delegados, mesmo que a diferença salarial por aí seja mais absurda que a daqui, o que não corresponde à maioria dos PC que conheço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *