Roubaram o Relógio do Hulk !

Roubo. Um fato corriqueiro nas grandes cidades brasileiras, e que cada vez mais se alastra para cidades do interior. Milhares são vítimas apenas deste crime, diariamente, em todo o país. Além dele temos os furtos, seqüestros, homicídios, estupros, extorsões… a sonegação de impostos, o gato d’água, o gato de luz, e por aí vai.

Luciano Huck ou o Incrível HulkMas achei curioso o enredo deste roubo especificamente. Refiro-me ao assalto sofrido pelo apresentador global Luciano Huck, aquele do programa televisivo de sábado. Não que tenha algo contra o apresentador, muito pelo contrário, até hoje não ouvi nada que desabonasse sua conduta. Pelo que sei é um cara cuja família já tinha boas condições financeiras, e ao invés de se acomodar ele levou a vida a sério e multiplicou a pequena fortuna que já tinha. Já soube de várias coisas reprováveis, digamos assim, de muitos destes seres famosos que vemos nas telinhas. Coisas que teriam sido “abanadas” por influências políticas, ou usadas para tal. Mas dele nunca ouvi nada.

O ponto é que dele foi roubado um relógio de pulso da marca Rolex que segundo a imprensa vale mais ou menos 3,5 anos de salário de um policial civil do Rio. O ponto é que independente da fortuna que ele tenha amealhado durante sua vida profissional, se ele quiser freqüentar o mundo fora das prisões-condomínios que criamos, ele também precisa de uma Polícia eficiente.

Aliás, o cerne da questão vai além. Temos que falar de distribuição de renda, de saúde, de educação, de saneamento básico. Mas enquanto a insegurança não permitir, nenhum destes fundamentais fatores poderá ser aplicado. Mesmo cogitando-se a utópica hipótese de que o Governo queira levar todas essas benesses à parcela necessitada da sociedade, não o fará enquanto o crime não permitir. Não dá pro Pacificador da PCERJ ou o Caveirão da PMERJ transportar as crianças e os professores para as escolas, os médicos e pacientes para os hospitais.

Daí ele pergunta: onde está a Polícia? Podemos responder. Os que não estão ocupados extorquindo (concussão) alguém, os que não estão soterrados em pilhas de ROs nas Delegacias, os que não estão baseados com uma viatura em frente a um comércio específico, os que não estão escondidos nas Chefias, Gabinetes, Batalhões, Assembléias… bom, tirando esses o resto está fazendo “bico”. E se você não foi um dos que contratou um policial para fazer sua segurança pessoal como segundo emprego, então você é um de nós. Você Huck, bem-vindo à sociedade!

Ele também brada “Chamem o Capitão Nascimento!”, mas tenho certeza que falou brincando. Ou então estava brincando quando disse que tinha pena dos pobres coitados que o assaltaram. Não sei, em alguma dessas afirmações ele estava brincando.

Já demonstrando resignação, ele propõe que se comece a discutir o assunto (violência/crime) para encontrarmos uma solução. Comecemos a discutir?? Podíamos estar bem à frente dessa etapa.

Se Luciano Huck, que tem admirável patrimônio, que ocupa o tempo de mais de 150 milhões de pessoas por descontraídas horas todas as semanas, que faz parte do meio de comunicação para as massas mais influente da história do mundo não sabe como iniciar um processo de mudança… então eu também não sei.

Mas que ele poderia ao menos ter fornecido informações sobre o roubo para a Polícia, poderia. Afinal, os criminosos roubaram dele o tal relógio de 50 mil, ele disse que não se importa com o objeto… mas os mesmos criminosos provavelmente depois dele já roubaram outro relógio, talvez um que custe 50 reais, mas que vai fazer falta no patrimônio da outra vítima, que possivelmente é mais um assalariado e batalhador.

E esses criminosos vão continuar roubando enquanto o milionário ou o assalariado não ajudarem a Polícia. Quem sabe uma reação durante o próximo roubo, a morte de um motorista que dirigia seu Fiat Uno ano 90 e recusou-se a entregar o telefone de 100 reais.

Mas o milionário volta para sua vida normal, de baladas, festas e, eu acredito, altruísmo. O assalariado também, vai pro seu pagode, churrasco, cerveja e futebol. Mas as polícias continuam sucateadas, mal pagas, usadas para fins eleitoreiros, dirigidas pelo crime organizado. Lembra-me aquela velha máxima que li em um papel amarelado pelo tempo, anos atrás, colado no plantão da primeira Delegacia onde fui lotado “Diante do perigo o homem se lembra de Deus e da Polícia. Passado o perigo, ele esquece de Deus e amaldiçoa a Polícia”.

Então, o Luciano Huck não sabe. Eu não sei. E você?

16 ideias sobre “Roubaram o Relógio do Hulk !

  1. Eduardo, não admito, com todo o respeito, que vc diga que não sabe. As discussões que vc “provoca” e o próprio sítio já são um poderoso instrumento de mudança. O grande problema é que, no geral, só reagimos quando alguma desgraça nos sobrevem. Na minha visão, as associações que organizam manifestações pela paz, etc.. são sempre fruto da perda de um ente querido. O triste é que só olhamos pro nosso umbigo e pouco nos lixamos com o sofrimento/perda do outro, aliás acho que mal enxergamos o “outro”.
    Quanto à proposta de discussão da violência, vindo da parte dele não boto fé. Pra mim o programa dele só contribui para que as pessoas continuem ou se tornem mais alienadas, portanto contribui, indiretamente, para que as coisas se mantenham como estão. E não há altruísmo que se sobreponha a isso. Não aceito que ele, xuxa, bial venham propor soluções para o nosso país. Nunca me esqueço da xuxa, alguns anos atrás, diante de uma bandeja com um belo café da manhã (frutas, suco, pães, etc..) dizendo pros baixinhos que eles em suas casas estavam, também, tomando um café como aquele, etc…etc… Fiquei imaginando uma criança numa favela olhando aquela cena…..
    Fato desabonador: me parece que ele construiu, numa área de proteção ambiental (se não me engano Fernando de Noronha) uma Pousada. Nunca mais soube de nada mas “duvidoodó” que a dita cuja tenha sido demolida.
    Paz, saúde e dignidade a todos!!

  2. Cláudia: ora ora, então já sabemos de um ilícito do rapaz né 😉 Por oportuno, também não assisto o programa dele, aliás pouco ligo a televisão, vejo o jornal da globo quando quero e pela internet mesmo. Acredito na música “a televisão me deixou burro, muito burro demais”.

    Ninguém espera que na Polícia não ocorram fatos de moral duvidosa, afinal, como somos seres participantes da sociedade temos nossos vícios, na Polícia ninguém é santo, por mais que alguns se esforcem para ser o mais correto possível, para servir de exemplo. Dos erros pequenos a Corregedoria tem que dar conta. Mas o que provocou toda essa situação que hoje vivemos nas ruas foi o crime organizado (não os traficantes descalços nos morros), e uma parcela da Polícia passou a “trabalhar” para proteger e lucrar com essas organizações. Não por acaso são so que tem mais influência, o que faz com que o combate ao crime e a investigação fiquem em seundo plano. Aliado à isso os políticos que usam a Polícia para fazer política, a mantendo sucateada propositalmente para que além de gerar votos, ela não atrapalhe os negócios dos grandes financiadores de campanha. Isso temos que combater e mudar.

    Quando disse que não sabia o que fazer, me referia à sociedade civil como um todo. Não sei mesmo o que alguém que não trabalha na Polícia pode fazer para provocar mudanças, a não ser que se unam em uma sociedade civil organizada e partam para a ação. Um caminho lógico seria uma ONG, mas isso já surgiu sujo, voltada para defesa de interesses de grupos e assalto aos cofres públicos. Mas alguma organização tem que haver.

    Já quanto à mim e meus colegas de profissão eu sei muito bem o que podemos e temos que fazer. Nossa primeira missão tem sido aproximar os que querem promover essas mudanças, e pra isso o Blog serve perfeitamente, além de outros canais. Dentro da Polícia a gente sabe o que fazer, só não temos força (ainda), nem apoio do governo, mas esse último nunca poderemos contar, mas podemos forçar medidas. Por isso a opinião pública tem que ficar antenada. Pra isso também serve o Blog.

    Enfim, é isso, quando digo que não sei extamanente como começar, não quero dizer “eu começar” e sim como o processo coletivo começar. Eu já comecei, eu e algumas dezenas, quem sabe centenas de policiais.

    Estamos nos organizando. Fizemos coisas que nunca foram vistas na Polícia; toda essa movimentação, greve, dedo na cara do governo, prisão de policiais corruptos (na atual PF muitos são ex-PCERJ e sabem muita coisa daqui), organizar espontaneamente operaçõe spara combater o jogo do bicho e caça-níqueis como fizemos algumas vezes, sob ameaças diretas, e sem apoio nenhum dos dirigentes.

    Vamos tocando a bola, só o fato de existir este espaço, só as provocações de debates já é alguma coisa, mas longe do suficiente. A esperança é que nestes debates algum iluminado tenha uma idéia simples para desencadear o processo.

    Sempre em frente.

  3. Acho que o que podemos fazer é cobrar e cobrar e pentelhar e escancarar e concomitantemente tentar organizar a sociedade e educar e sensibilizar, etc….Acho que é algo a médio e longo prazo. Tenho esperança que a sociedade vai reagir. Não tenha essa imagem de ONG, algumas são sérias. Eu desejo montar uma e hj mesmo pensei muito nisso mas queria ganhar na mega pra não depender de $ público, mesmo porque não receberia verba pro que quero. Olha, mesmo que aches que ainda não é suficiente e que é pouco o que fazes, pensa que pelo menos vc faz algo pra mudar e está mobilizando muita gente. Volto a repetir que pra mim foi uma surpresa e um imenso prazer descobrir o seu sítio.
    Pode ser que dum piscar de olhos surja uma idéia mas pode tb ser que demore um pouquinho, portanto tenhamos paciência e pensemos positivamente! Tenho me proposto a pensar e falar somente coisas boas, como forma de atrair o que é bom, e te digo que tem funcionado!

  4. Dupecerj,

    concordo com as suas palavras. Enqto a própia sociedade não se der conta que ela tem responsabilidade na atual segurança pública, as coisas não melhoraram. A marioa dos RO são apesnas par que o lesado seja ressarcid plea operoda de telefocnia celular, o banco, a Adm de cartão de Credito, a Segruado do veiuclo …MAs qdo é perguntdao se pode foncer alguma informação par a invetsigação prpriapemnet dita, ele diz aque foi muito rápido não se lembra das caracteristas do autor etc. Qdo muito vem fazer o RO. O Delegado da 16ª DP, em entrevsita recente sobre os sequestros relampagos, disse que tem que correr atrás das vítimas para que fizessem o RO e para que ajudem nas investigações. Assim não dá, como é que os policiais descobrirão o crime e identificarão o autor? Nâo sei. Bola de cristal ainda não é recurso que a Polícia dispõe.

  5. Confesso que registrei uma ocorrência por um motivo meio idiota, como os acima citados, mas só queria me resguardar e jamais levar o casa adiante. A outra opção seria ir a um Hospital Público p/ exame. Eu estava há 01 ano no Rio e a opção 2 me assustava mais. Isto ocorreu numa quarta-feira e na segunda-feira seguinte eu recebi uma carta de um escritório de advocacia me oferecendo serviços p/ possível ressarcimento por danos morais. Se eu passar por uma ocorrência grave certamente procurarei cooperar, mas quem mais terá acesso às informações prestadas?????

  6. Nossa… eu acho que devo ter me tornado muito insensível, mas, sinceramente, gostaria que criassem tanta polêmica quando assaltam um aposentado que acabou de sacar sua pensão, ou um trabalhador que recebeu um salário ridículo para sustentar a si e sua família durante um mês…

    Talvez ninguém ache isso, mas eu acho e não tenho vergonha de dizer: acho uma sacanagem que alguns poucos ganhem tanto a ponto de “jogar dinheiro fora”, enquanto a maioria se desdobra para sobreviver com cerca de R$ 300 por mês…

    Quando policiais têm que mendigar ou fazer milagre para não passar fome, para manter as contas em dia, para poder ter um carro para se locomover,…

    Gostaria muito (de verdade) de entender por que alguém dá R$ 1 mil em uma calça quando pode comprar uma por R$ 60, por alguém compra coisas supérfluas em um país onde tantos passam fome…

    Quanto à solução… acho que está muito ligada a tudo o que citei anteriormente…

    Se queremos viver em um mundo melhor, temos, antes, que nos tornar pessoas melhores…

  7. Claudia: eu sei, falei de um modo geral. Um próprio colega da PCERJ montou uma ONG, chama-se “Viva Polícia”, tem o link na barra lateral. Não tem dinheiro, e o cara sempre se mostrou íntegro. Não é má idéia, o duro é aguentar a pressão, que, esteja certa, vai vir, e forte, dependendo da abordagem.

    E nenhuma ocorrência é bob demais que não precise ser registrada. O problema é que o efetivo da Civil é muito pequeno, menos da metade do previsto há 20 anos atrás, para você ter uma idéia, então as vezes, pessoalmente, o policial se irrita quando uma coisa de menor ofensividade no ponto de vista dele lhe toma tempo em meio aos inquéritos de homicídio, estupro, roubo e tráfico, por exemplo. Mas se é crime tem que ser registrado.

    Marcus: essa é a tecla que batemos, a sociedade tem que acordar e ver que a responsável por todo esse caos que vivemos não é a Polícia, é ela mesmo. E nós temos nossa parcela de culpa não enquanto policiais, mas por pertencermos à mesma sociedade, uma dualidade não? 😉

    Agora, isso que você falou é certo. Muitas vezes a própria operadora de celular coage o sujeito a mentir na DP e comunicar um furto quando na verdade ele apenas perdeu o telefone ou mesmo o quebrou. Algumas vezes conseguimos identificar os mentirosos e enquandrar na falsa comunicação de crime ou mesmo no estelionato, dependendo do caso, mas como isso toma muito tempo, e o volume de casos desse tipo é grande, acaba-se registrando, mesmo descofiando.
    Outro grande problema é a clínica geral a que somos submetidos. Pelo ao menos 40% dos ROs não são de crimes, são de causas da justiça cível. Mas ai de nós se não registrarmos.
    Aliás o brasileiro em geral tem a percepção de que tudo é caso de polícia (por isso o nome do Blog hehe). É contraditório perceber que ao mesmo tempo em que é a instituição pública mais amaldiçoada e mal-falada, a Polícia também é a mais procurada. E ninguém se dá conta disso.

    Roberta: estamos no mesmo barco. Esse consumismo de grife também me espanta, mas é coisa da globo e similares.
    E a imprensa só faz manchete com o assalto de um famoso porque isso chama a atenção, vende jornal, revista e gera acesso no site. Discutir a violência é a última coisa que passa pela cabeça dos editores. Mesmo que um jornalista faça um trabalho excelente, com provas e tudo, se não puderem tirar um dinheiro dali, seja publicando ou ganhando para não publicar, a matéria não passa.
    Acho engraçado quando uma revista acusa a outra de fazer matérias por dinheiro, e outras acusam umas de deixar de fazer uma matéria porque rolou um dinheiro por trás. E só a Polícia é corrupta.
    Sei que é sua profissão por escolha, mas reputo aos jornalistas a mesma imagem que tenho da Polícia: os decentes não conseguem notoriedade, salvo casos esparsos e mesmo asism se contarem com grande talento. Igualzinho na Polícia 😉

  8. Pingback: A indignação de Luciano Huck | Direito e Trabalho

  9. Du: apesar de muito me doer reconhecer isso, concordo com você. Infelizmente, é a mais pura verdade.

    E sinto-me como um bom policial – seja civil ou militar – se sente dentro de suas instituições.

    Porque a parte boa acaba sendo “calada” pela parte podre…

    A “imprensa” está errada por fazer manchete com o assalto sofrido por um famoso… em contrapartida, se vende, a população também está errada por fomentar isso…

    Talvez por isso, em dez anos de carreira tenho em meu currículo pequenos veículos de comunicação (ou, pelo menos, veículos menores)…

    Nestes, ainda se encontra algum tipo de liberdade (e agradeço a Deus por isso).

    Mas já fui mandada embora de um jornal porque queriam que eu transformasse um latrocínio em saidinha de banco (até hoje não entendo o motivo já que, na minha singela opinião, uma morte é sempre uma morte… não importa o motivo…)

    Mas sei que há uma coisa que mesmo nos jornais pequenos (ou jornais menores) acontece… é o dinheiro que rola em “acordos políticos”…

    Deus me livre de ter que trabalhar nesta editoria!

    Posso até perder meu emprego, mas não perco minha consciência. Credibilidade é algo fundamental na minha profissão, e algo que se luta muito para conquistar – mas que pode-se perder em pouco tempo… é preciso saber preservar…

    Mas, aqui entre nós, andei me decepcionando muito com o que se tornou o Jornalismo… (ou com o que fizeram que o Jornalismo se tornasse)…

    Tenho mais amigos policiais que amigos jornalistas… e isso não é um bom sinal… rsrsrsrsrs

    Como eu digo… se queremos viver em um mundo melhor, é preciso, antes de tudo, que as pessoas se tornem pessoas melhores…

  10. Frederico: pois é, reclamar é o esporte favorito dos brasileiros, fazer o que…

    Roberta: não se chateie tanto. Acredite, TODA E QUALQUER profissão é assim. Advogados, Contadores, Médicos, todos têm seus esquemas de corrupção e violência. Todos criticam a Polícia mas esquecem que ela é composta pelo mesmo tipo de ser humano que compõe a sociedade, coms suas virtudes e defeitos.

    Claro, a imprensa leva vantagem porque é ela quem tem a voz mais alta, e a sociedade sabe o que ela quer que seja sabido, e da maneira que melhor lhe convier. E ao contrário do policial corrupto, o jornalista safado sai de um jornal e vai pra outro, não deixa de ser jornalista, e continua fazendo o que sempre fez.

    Eu tenho a imprensa como uma causa do mal, mas da mesma forma que você hoje tem amigos na Polícia mais confiáveis que em sua profissão, eu conheço bons jornalistas, e sei que várias matérias não são publicadas e por quais motivos. Enfim, seres humanos são em geral uma raça desgraçada, da próxima vez quero nascer como outra espécie heheheh, já que vai se dar mal mesmo, que eu não faça parte.

  11. É lamentável que tenham levado o relógio do Hulk, enquanto nós através de nossas associações, todos envolvidos na segurança pública estamos falando em uma reforma imediata, não somos ouvidos pois não existe vontade politica para isto. Tenho certeza que no ano que vem estas mudanças voltaram a discusão, pois será ano político e em 2010 teremos eleições para Presidente, Governadores e outros, que na certa terão soluções milagrosas para o caso. Infelismente no Brasil é assim, para se acordar tem que correr muito sangue inocente, conforme ocorreu na crise Aerea mesmo depois de diversas denuncias dos controladores continuou do mesmo jeito, e até agora mesmo estão tentando culpá-los. É VERGONHOSO

  12. Roberta: fica com todos 😉

    Bradock: decidimos que não vamos permitir que o PMDB use a Polícia Civil para fazer politicagem nas eleições do ano que vem, vamos às ruas desmentir todas as falácias que eles coloquem nas propagandas eleitorais, e vamos estar presentes também nos comícios. Vão ser alguns meses cansativos, mas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *