Resultado da última reunião com o Governo

Transcrevo abaixo o relato de um de nossos representantes, e porta voz da categoria policial civil, o Inspetor Chao, para conhecimento de todos os ineressados. O texto é longo, e os grifos meus:

“Caros colegas policiais civis

Como todos já sabem, no dia 28/09/2007, 6ª feira, às 11h00m, ocorreu uma reunião com o Sr. Governador Sérgio Cabral, no Palácio Guanabara, a fim de tratarmos sobre o nosso tão almejado Reescalonamento Salarial.

Presentes à referida reunião o Sr. Governador Sérgio Cabral, o Sr. Chefe da PCERJ, Dr. Gilberto da Cruz Ribeiro, o Deputado Estadual Paulo Mello, líder do governo na ALERJ, o Sr. Secretário de Planejamento, Dr. Sérgio Ruy, e o Sr. Secretário da Casa Civil, Dr. Régis Fichtner.

Pelos policiais civis, estiveram presentes Bandeira, Natalício e Cheila Masioli, do SINPOL, Carlos Eustáquio e Miguel Khalil, da COLPOL, Élcio e Erlon, da Associação de Peritos, Marcus Vinicius, da Associação de Inspetores, Franklin, da UNICOMPOL, Júlio César, da Associação de Papiloscopistas, Alex, Mário e Fernando, da Associação de Técnicos e Auxiliares de Necropsia Policial, Delegado Reale, pela ADEPOL, Delegados Jéssica e Vinícius, pelo SINDELPOL, e eu e Denílson.

Com a chegada do Sr. Governador Sérgio Cabral, muito sorridente e que a todos cumprimentou efusivamente, iniciou-se a reunião.

Falaram inicialmente Bandeira e Cheila, expondo os nossos argumentos a favor do Reescalonamento Salarial, e, logo depois deles, o Sr. Governador Sérgio Cabral usou da palavra.

Resumindo, em sua preleção, que durou cerca de vinte minutos, o Sr. Governador afirmou o seguinte: “Meu governo tem como prioridade a Saúde, a Segurança e a Educação. Sei que 4% é muito pouco, mas é o que pode ser concedido no momento, nós herdamos um Estado falido e endividado, uma verdadeira herança maldita, tomemos, por exemplo, a questão das contas-salário dos servidores estaduais com o Itaú, concessão essa que já estamos renegociando, ou ainda o pagamento dos quatorze planos de cargos e salários enviados para a ALERJ ano passado pela Governadora Rosinha, como bem sabe o Deputado Paulo Mello, aqui presente, várias obras iniciadas pela Governadora Rosinha no ano passado que eu estou tendo que acabar, como, por exemplo, o Polícia Boa e Barata não existeRodo Anel Viário, etc. Mas, apesar disso, eu tenho certeza de que, em um futuro próximo, nós poderemos começar a resgatar a dignidade dos policiais civis. Aliás, sobre a Polícia Civil, eu gostaria de deixar claro que ela tem realizado um brilhante trabalho, talvez porque meu governo tenha dado completa autonomia para a Polícia Civil trabalhar, como bem sabe o Dr. Gilberto aqui presente, cujo trabalho à frente da Polícia Civil é motivo de orgulho. Eu, pessoalmente, confio muito na Polícia Civil, e, (nesse momento ele riu) gostaria que a Polícia Civil confiasse tanto em mim quanto eu confio nela. Estamos nos esforçando muito para dar à Polícia Civil o que ela merece, acabamos de autorizar, atendendo a um pedido do Dr. Gilberto, a abertura de um novo concurso, a ser realizado em 2008, para preenchimento de 1.054 vagas ociosas. Não é muito, não é o ideal, eu sei disso, mas é o que pode ser feito no momento, eu peço a vocês que tenham paciência, pois não irão se arrepender. Mas, se, infelizmente, não quiserem ter paciência, e quiserem protestar, como fizeram no mês passado, quando pediram comida no túnel – nesse momento eu interrompi, e disse: Sr. Governador, não foi comida, foi esmola, o senhor está mal informado – lamento, mas entenderei, afinal de contas, vivemos em uma democracia, a qual eu respeito muito, até mesmo porque, por sua ausência, eu precisei visitar meu pai em uma cadeia.”

Encerrada a preleção do Sr. Governador, Cheila Masioli, do SINPOL, novamente usou da palavra, retrucando com novos argumentos, seguindo-se a ela o Delegado Vinicius, que, sempre muito firme, também argumentou, e, aí, chegou a minha vez de falar.

Eu disse o seguinte: Sr. Governador, não vou gastar o seu tempo, que é precioso, nem o dos demais presentes, apresentando argumentos em favor do Reescalonamento Salarial, como fizeram os que me precederam, até porque, todos os nossos argumentos podem ser resumidos na seguinte frase: “Polícia boa e barata não existe”.

Aliás, na reunião que mantivemos com o senhor, em 19/03/2007, no Palácio Laranjeiras, já tínhamos exposto nossos argumentos e o nosso pleito, traduzido no almejado Reescalonamento Salarial, reescalonamento esse que o senhor se comprometeu a implementar, pedindo apenas que apresentássemos uma forma de parcelamento, o que fizemos logo em seguida. E, até agora, nada…

Aí o senhor diz que espera que a Polícia Civil confie no senhor, como o senhor confia na Polícia Civil…

Lamento muito, Sr.Governador, mas não posso dizer que a Polícia Civil confia no senhor, pois, hoje, sua reputação entre nós, policiais civis, é a de que o senhor, com todo o respeito, é alguém que não honra promessas de campanha e compromissos de governo, e que, a exemplo de seus antecessores, vai fazer a “política de segurança pública boa e barata”, ou seja, vai comprar viaturas, pintar delegacias, e contratar novos policiais apenas para repor os que saíram, se aposentaram ou morreram…

Alegar que o seu governo não interfere na atuação da Polícia Civil, Sr. Governador, me desculpe a franqueza, não nos impressiona, pois, assim agindo, o senhor não está fazendo mais do que a sua obrigação… A atuação da Polícia Civil sem interferência política, Sr. Governador, permite, por exemplo, que o meio ambiente seja devidamente protegido, ou que os sonegadores, muitos dos quais financiam campanhas políticas, sejam alcançados pela atuação da Delegacia de Polícia Fazendária, o que, inclusive, permitirá pagar melhores salários aos servidores, pois a arrecadação de impostos aumentará, não é verdade?

Nesse momento, o Sr. Governador me interrompeu e disse “Chao, eu não vim aqui bater boca com vocês”, e eu retruquei logo em seguida: “Com todo o respeito, eu também não vim bater boca, Sr. Governador, mas também não vim ouvir conversa fiada.”

Me desculpe a franqueza, Sr. Governador, mas não posso crer que o senhor, que até 31/12/2006 era Senador da República justamente pelo Estado do Rio de Janeiro tenha assumido a chefia do Poder Executivo desse mesmo Estado desconhecendo a sua real situação financeira.

Isso não é crível, Sr.Governador, me desculpe a rudeza…

Aliás, Sr. Governador, falando de finanças públicas, vou me permitir a audácia de lhe fazer uma pergunta que foi feita há cerca de dois meses atrás pela Delegada Jéssica, aqui presente, ao seu Secretário de Planejamento, Dr. Sérgio Ruy, também presente, em uma reunião na Secretaria de Planejamento, e que o mesmo alegou não saber responder: O senhor sabe quanto custa a Polícia Civil, Sr. Governador?

Dois por cento! É isso mesmo Sr. Governador, dois por cento, é o que custa a Polícia Civil inteira, ativos, aposentados e pensionistas, Delegados, Peritos e Agentes, para a folha salarial estadual.

E o senhor alega que não há dinheiro para implementar o Reescalonamento dos Policiais Civis, Sr. Governador? E quer que nós acreditemos nisso?

Cremos que há dinheiro sim, Sr. Governador, o que não há é vontade política em gastá-lo com a Polícia Civil, e sua principal ferramenta, o policial.

Sr. Governador, como bem sabe o Sr. Deputado Estadual Paulo Mello, líder do governo na ALERJ, em 2006, não foram quatorze os projetos de lei enviados pelo Poder Executivo à ALERJ versando sobre planos de cargos e salários, foram quinze, mas um deles, justamente o Reescalonamento Salarial dos Policiais Civis, foi retirado de pauta no apagar das luzes, por pressão de oficiais da PMERJ ligados ao Secretário Garotinho.

E, agora, novamente, fomos atrapalhados pelos mesmos oficiais da PMERJ, que, no afã de atenderem a interesses e vaidades individuais, mais uma vez interferiram em nosso pleito, com sua tão propalada pretensão de “integração salarial”, que, evidentemente, mascara a sua real pretensão, qual seja, o “ciclo completo de Polícia”.

Se não foi isso, porque, na reunião mantida na Secretaria de Planejamento em 19/07/2007, após a nossa greve pré-Pan – que, aliás, nunca teve a pretensão de prolongar-se durante aquele evento, foi o próprio Governo do Estado que, açodadamente, assim afirmou para a Imprensa – foi dito pelo Sr. Secretário Sérgio Ruy que o Reescalonamento Salarial, com o índice 1.400 já estava acertado, e faltava apenas acertar o fator de cálculo, a ser decidido entre 0,59228 e 0,87?

Nesse momento, o Sr. Secretário Sérgio Ruy me interrompeu, dizendo que “não é bem assim, eu não disse o que você está Sr. Governador, “é papo reto”, é “bola ou búlica”dizendo que eu disse”, mas eu retruquei dizendo o seguinte, Sr. Secretário Sérgio Ruy, eu não sei o senhor, mas eu não sou moleque, nem criança, eu sei e o senhor sabe muito bem quem está mentindo e quem está dizendo a verdade, aliás, a sua assessora, Elizabeth Fraga, aqui presente, também deve se recordar desse assunto, já que nós chegamos inclusive a discutir com ela, na sua presença, sobre o índice 1.400. Eu não tenho necessidade de mentir, já o senhor eu não sei…

Aí, os demais presentes à reunião, e que também estiveram na reunião em comento, de forma uníssona, corroboram o que eu disse, evidenciando quem estava mentindo…

Acho que o Sr. Secretário Sérgio Ruy ficou chateado, pois levantou-se da mesa, e, como ninguém pediu para ele sentar-se de novo, ele saiu da sala, voltando depois de uns vinte minutos, ainda com jeito de chateado…

Após a intempestiva saída do Sr. Secretário de Planejamento Sérgio Ruy, continuei minha preleção, dizendo o seguinte: Sr. Governador, a Polícia Militar não é problema meu, ela é um problema seu, eu não vim aqui falar dela, eu sou policial civil, e vim aqui falar da Polícia Civil. Então, vamos fazer o seguinte, eu não sei o senhor, mas eu fui criado em subúrbio – onde moro até hoje – jogando bola de gude em chão de terra, e lá havia um jogo chamado búlica, em que, em determinado momento, há um desafio, chamado “bola ou búlica”.

Então vou fazer esse desafio para o senhor, Sr. Governador, “é papo reto”, é “bola ou búlica”: Não há dinheiro para pagar o Reescalonamento Salarial, Sr. Governador? Então implemente o Reescalonamento Salarial a partir de Janeiro de 2008, em parcelas, até Dezembro de 2010. Tá bom ou ta ruim? Não há dinheiro para isso, Sr. Governador? Como eu lhe disse, agora é “bola ou búlica”, o senhor é quem joga agora…

Aí o Sr. Governador disse que precisava analisar, que nós deveríamos marcar uma nova reunião com o Sr. Secretário Sérgio Ruy, e eu retruquei dizendo ao Sr. Governador que com o Secretário Sérgio Ruy nada mais havia para ser dito, conversado, analisado ou estudado, agora era com ele, o Governador. Pedi a ele que consultasse quem achasse necessário, mas que nos poupasse de novas reuniões com quem não lembra o que disse antes… Pedi ao Sr. Governador que estudasse o assunto e transmitisse sua decisão através do Sr. Chefe de Polícia, que se encarregaria de comunicar o que ficasse decidido à categoria policial.

E assim ficamos combinados, segundo o Sr. Governador, em vinte dias, a resposta será dada, agora é aguardar para ver.

Mas, da minha parte, novas reuniões nem pensar, tenho mais o que fazer do que ouvir conversa para boi dormir…

Ainda aproveitei o ensejo, no finalzinho da minha preleção, para “elogiar” o Sr. Governador sobre sua manifesta admiração pela Democracia, externando a ele entretanto meu espanto com tal admiração, já que, conforme é público e notório, o mesmo, durante a greve, afirmou repetidas vezes à imprensa que iria cortar o ponto dos policiais grevistas, ato administrativo esse que, sem decretação de ilegalidade da greve dos policiais pelo Poder Judiciário fazia lembrar a Ditadura

Ele retrucou dizendo que eu como policial, tinha direitos, mas também tinha deveres…

E eu retruquei dizendo que conhecia tão bem meus direitos quanto meus deveres, aduzindo ainda que, sobre o cumprimento dos meus deveres, melhor poderia dizer a minha folha de assentamentos funcional, ou, até mesmo, a Corregedoria de Polícia, a quem, mais uma vez, por meio do Dr. Gilberto, me coloquei à inteira disposição, como, aliás, sempre o fiz durante a minha vida funcional…

Quem não deve não teme, não é mesmo?

Quem fala a verdade não merece castigo, assim reza a sabedoria popular…

Finalizei minha preleção apelando ao Sr. Governador pela não abertura de novo concurso, como anunciado por ele no início, já que, assim o fazendo, ele estaria tão somente admitindo mais 1.054 novos “mendigos de distintivo”…

Mas, aduzi, se o senhor quer mesmo contratar novos policiais civis, Sr. Governador, ao invés de abrir novo concurso, melhor o senhor faria se nomeasse os candidatos-alunos do concurso de Investigador Policial de 2005, até hoje sem previsão de nomeação, ou, atendendo a uma promessa de campanha, convocasse os Excedentes do mesmo concurso, cuja camisa o senhor vestiu, Sr. Governador…

Dito isso, passei a palavra para o Delegado Reale, que falou rapidamente, apresentando ao Sr. Governador um documento onde estavam consignadas as reivindicações dos Delegados de Polícia, materializadas na pretensão equiparatória com Promotores de Justiça, e, após este, falou o Perito Élcio, pela Associação de Peritos, defendendo a proposta de emenda constitucional outorgando autonomia administrativa à Perícia. Por último, falou o Técnico Policial de Necropsia Alexandre, Presidente da ATAPOL, que também defendeu a proposta de transformação dos cargos de TPN e APN em Investigador Policial, com seis classes.

Logo em seguida o Sr. Governador ausentou-se, alegando que tinha um compromisso, e a reunião foi encerrada.

Seguimos então para a porta da Chefia de Polícia, a fim de contar aos policiais civis aqui reunidos o que havia acontecido na referida reunião, o que assim foi feito, como é de praxe, ressaltando, entretanto, um curioso e pitoresco detalhe: durante a nossa assembléia, identificamos um elemento, de cor escura, forte, estatura mediana, cerca de 35 anos, o qual, estrategicamente posicionado em frente ao Bar e Restaurante Massapê, se ocupava em disfarçadamente gravar, em pequenino aparelho dissimulado em sua calça, o que eu dizia durante a nossa Assembléia.

O tal sujeito, que se fazia acompanhar de um outro elemento, ambos prévia e devidamente fotografados, foi abordado, e, inquirido (enquanto isso, o outro elemento saiu de fininho, com medo de não sei o quê), admitiu ser policial militar, inclusive identificando-se, e afirmando ali se encontrar a mando do Quartel General da PMERJ, para “monitorar” o nosso movimento, “missão” essa que, aliás, admitiu já ter cumprido outras vezes.

Não acreditei no alegado por ele, já que conheço pessoalmente o Sr. Comandante da PMERJ, Cel. Ubiratan Ângelo, inclusive muito antes do mesmo exercer o comando da PMERJ, e acredito que ele não se prestasse a tão medíocre diligência, pois não precisa recorrer a esse tipo de expediente, mas, enfim, a quem interessa tal “investigação”?

Aliás, com a devida vênia, mas “investigação” feita por PM travestido de “agente secreto” só podia dar no que deu, é ou não é?

Que trapalhada! Ambos os milicianos foram fotografados, sem que percebessem, e o miliciano que foi abordado, cujo nome preservo, pois o mesmo, afinal de contas, estava apenas cumprindo ordens, ainda me pediu desculpas, dizendo que também achava seu papel medíocre e ridículo, mas nada podia fazer, e ainda teve que se esconder, virando de costas, quando nós (eu, Picolo, Alexandre e outros), de galhofa, o abraçamos para sermos fotografados com ele, coitado, ele dizia “meu chefe, por favor não faz isso não, assim o senhor vai me prejudicar com o meu comando”, rsrsrsrs, até os atendentes do Bar Massapê riram dessa cena…

Aos mais afoitos, ressalvo que o miliciano nada fazia de ilegal em sua, digamos assim, “investigação”, pois a Assembléia era pública, no meio da rua, e quando nós não queremos que alguém grave, escute ou saiba o que dizemos e fazemos, marcamos um “café da manhã”, um “lanche da tarde”, não é mesmo?

Mas os mandantes dessa “investigação” podiam ter se poupado o trabalho, já que, como é de praxe, tudo o que ocorre nessas “reuniões” com o Governo do Estado é publicizado neste espaço

Mas, quem sou eu para criticar (ou entender) os mandantes dessa “diligência investigativa secreta”?

Bom, depois do momento cômico, e agora?

E nós, como ficamos?

Agora nós esperamos mais um pouquinho (vinte dias, mais ou menos), e, depois, conforme for, “é bloco na rua”…

No que depender de mim, ninguém, nunca mais, vai fazer campanha política em cima da Polícia Civil com a velha cantilena de “nosso governo investiu muito na Polícia, compramos viaturas, reformamos as delegacias, treinamos os policiais, etc, etc, etc”

Polícia boa e barata?

Não existe, nem nunca vai existir

Viva a Polícia Civil!

Francisco Chao de la Torre
Inspetor de Polícia Civil”

12 ideias sobre “Resultado da última reunião com o Governo

  1. Fala Eduardo!
    Cara consegui baixar a Trilha Sonora, que é ótima por sinal. E gostaria de comentar sobre esse post, aqui em Minas a polícia também sofre o mesmo, só que a PM e a PC ainda estão satisfeita razoavelmente com o salário, atualmente estudo para tentar ingressar no CFO da PM, mas mesmo assim, antes de entrar já penso que para as responsabilidade de um oficial de PM, receber 2.800 ainda é pouco, infelizmente todos os governadores são iguais, mas vamos ver no que o Aécio faz para melhorar como presidente em 2010.

    Abração!

  2. CHAO, VC FOI PERFEITO EM SUAS COLOCAÇÕES, INFELIZMENTE NOSSO MAIOR INIMIGO, É A POLÍCIA MILITAR, EM DESTAQUE OS OFICIAIS. O GOVERNADOR ESTÁ COM O RABO PRESO, COM MEDO DOS OFICIAIS DA PM.TEMOS QUE CONTINUAR AS INVESTIGAÇÕES, COLOCANDO TODOS OS PMS CORRUPTOS NA CADEIA, PRA MOSTRAR QUEM REALMENTE É FORTE. É INADMISSÍVEL QUE UMA CLASSE ATRAPALHE A OUTRA EM SUAS NECESSIDADES, POIS, NO FINAL ACABAM AS DUAS GANHANDO MAL, ME REFIRO AOS PRAÇAS, PORQUE OS OFICIAIS NÃO GANHAM TÃO MAL ASSIM PELO QUE FAZEM. É ENQUANTO ISSO SONHAR NÃO CUSTA NADA. VOU REPETIR, NO MOMENTO NOSSO MAIOR INIMIGO SÃO OS OFICIAIS PM.

  3. Discordo em apenas uma coisa. Existe uma polícia boa e barata: POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.
    Para o que nós ganhamos, o que fazemos está mais do que ótimo principalmente para a aristocracia que continua ganhando dinheirinho mamando na teta do estado diretamente (sacanagens em licitações) ou indiretamente (sonegando impostos).

    Raphael Ferrari
    Policial Estadual do Estado do RJ
    Delegacia Policial Anti-Sequestro

  4. DeAngeliS: toda sorte para você cara, e tomara que os políticos por aí sejam um pouco diferentes dos daqui 😉

    Ferrari: é, neste ponto eu concordo com você. Mesmo com apenas 20% do efetivo trabalhando seriamente, e considerando que o efetivo total já é muito baixo, e ainda, a falta de apoio, recursos, e muitas vezes até pressão contra a realização de investigações, acho que a PCERJ faz muita coisa. Mas olhar esse ponto positivo no meio de toda essa podreira em que estamos, só conseguimos devido ao orgulho, que por mais que neguemos em textos e falas, ainda temos, orgulhos de ser policiais. Sigamos em frente…

  5. Sou solidária à luta de vcs e me confesso envergonhada por nada fazer. Ultimamente tenho me incomodado com minha passividade e a da maioria da sociedade, diante de tanto caos na saúde e segurança. Creio que nós, sociedade civil, devíamos sair às ruas em apoio a vcs e até “acompanhar” as negociações pois afinal é com o nosso $ (e o de vcs tb) que vcs são pagos. Só não sei como fazer estas coisas, mas vou achar um norte. O que eu sei é que quero ver o $ dos meu impostos bem empregado, quero segurança, quero não ter medo de polícia e quero uma polícia muito sadia!!
    Du, obrigada pelo seu sítio…tem despertado muita coisa boa em mim!
    Chao, vc foi brilhante! Como eu gostaria de ter presenciado esta reunião…
    Raphael Ferrari, discordo de vc. A sua polícia é barata e perversa. É do jeitinho que os governantes querem.

  6. Cláudia: obrigado mesmo, e você colocando aqui seu ponto de vista, debatendo, deixando que mudemos algumas percepções suas, ao passo em que mudamos algumas nossas… isso por si só já representa alguma coisa. Conversarmos com os amigos sobre segurança pública procurando saber o que se passa nos bastidores é saudável, senão ficamos sempre no velho chavão.

    Mas certamente a sociedade tem que embarcar e agir fisicamente. Passeatas pela paz já se mostraram infrutíferas. O que fazer ainda não sei também. Mas vamos pensar juntos, todos nós, estamos, no fim, no mesmo barco, porque eu me arrisco mais, ganho mal, mas ando nas ruas como você ou qualquer outro que não seja milionário.

    Quanto à polícia que o Ferrari falou, e a que você falou, não é a mesma. Acredite, dentro da corporação há uma clara divisão. Eu mesmo só conheci os policiais depois que entrei para a Polícia. Hoje, eu e algumas centenas nos sentimos alienígenas no meio de uma maioria que ou é criminoso mesmo, ou é acomodado e indiferente. E esses últimos compõem a Polícia que a sociedade conhece, que a imprensa gosta de mostrar.

    Ouso dizer que concorco com você e com o Ferrari. Com você é óbvio que concordo, senão não escreveria neste blog, não criticaria e apontaria as mazelas da Polícia. Mas concordo com o Ferrari também, porque senão já nem teria motivação para escrever nada aqui, nem fazer nada no mundo “não virtual” para mudar. Se o faço, apesar de dar nos textos a intenção de que já considero a luta perdida, é porque no fundo penso que podemos dar um jeito, que há esperanças. Senão, de que vale ficar aqui, ou melhor, de que vale continuar vivendo no Rio, ou no Brasil, ou no mundo. O mal tomou conta de tudo, e o maus só tem força diante da omissão dos bons.

    Estamos juntos, quem não quer uma Polícia diferente nem entra neste sítio! Força e Honra!

  7. Vendo o comentário da Claudia me lembrei que as vezes nos esquecemos do básico, que a polícia faz parte da sociedade.
    Tudo bem que a polícia contribui para este afastamento, normalmente policial só anda com policial, e isto é impresionante, tomou posse esquece a vida e amigos antigos, aliais filmes como “Tropa de Elite” contribuem demais com este sentimento, comentários como o do Raphael tb.
    A “sociedade” também se acostumou a ver a polícia como um mal necessário, deferem a polícia o mesmo tratamento dado aos bandidos, em geral querem distância desta “gentalha policial”, salvo nos casos em que estão ameaçadas pela “gentalha dos bandidos”, que devem ser combatidos pela “gentalha policial”.
    Parece que a única diferença entre policia e bandidos, esta no lado em que estão, pq de resto, estão na mesma categoria, a dos “excluídos da sociedade”.
    Enquanto permanecer este pensamento, não há governo e polícia que de jeito.
    Sozinha a polícia, não passa de um grupo armado, que sempre vai defender muito mais os seus interesses, que nem sempre, ou quase nunca, serão os mesmos que o da “sociedade”.
    A sociedade também precisa escolher se quer dar efetividade aos seus mecanimos de repreensão, pq a permissividade e da repressão seletiva dos “excluidos”, ja teve conseqüências desastrosas demais.
    Ou a sociedade e a polícia se entendem e descobrem que são órgãos do mesmo organismo, e que uma não existe sem a outra, ou provavelmente voltaremos ao estado natural.
    Aliais chega ser engraçado, em pleno século XXI, se um professor universitário quiser dar exemplos de estado natural e de contratualismo, não precisa fazer uma viagem no tempo, basta se reportar a realidade de algumas cidades brasileiras.
    E Eduardo, faz tempo que não lhe dou os parabens, mas não poderia deixar de citar o aumento do numero de comentários e participações, não sei se é impressão minha, mas de qualquer forma fica o registro.
    SDS a todos.

  8. gostaria de saber qual foi a resposta do governador sergio cabral depois que foi questionado sobre a promessa de campanha q ele fez de convocar todos os excedentes do concurso de investigador da pcerj. isso o inspetor chao nao colocou no texto.

  9. gostaria de saber qual foi a resposta do governador sergio cabral depois que foi questionado sobre a promessa de campanha q ele fez de convocar todos os excedentes do concurso de investigador da pcerj. isso o inspetor chao nao colocou no texto.

  10. A mesma que ele sempre dá amigo. Finge-se de surdo, como se não fosse com ele. Aquele papo, “estamos vendo”, “estamos estudando o assunto”, etc…

  11. Nossa, eu sorvo as palavras deste inspetor.. ô homem inteligente!!! Que coisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *