A vaidade, a disputa de poder, e a perda de foco: Salário

Narcísio e auto análiseQuem acompanha este espaço deve ter percebido que nos últimos dias nenhum artigo novo foi postado, nenhuma informação nova foi trazida, nada de conteúdo. Está faltando assunto? NÃO, tem muita coisa a ser comentada.

Como o tal “clima de segurança” durante o PAN que a imprensa e Governo tanto elogiam, esquecendo-se que a Cidade do Rio, e o Estado do Rio são bem maiores que as restritas áreas dos jogos e alojamentos do Pan-americano, e nestes locais nada mudou, ou pior, mudou sim, houve aumento no número de homicídios e roubos.

Ou as recentes prisões de “policiais”, militares e civis, envolvidos com tráfico de drogas, “extorquindo” populares pelas ruas, ou mesmo traficando armas. Ainda, as últimas novidades das Assembléias da PCERJ e reuniões com representantes do Governo. Os equipamentos doados à PCERJ e PMERJ, que apesar de não serem o ideal foram recebidos com muito entusiasmo, já é alguma coisa (agradecemos ao Governo Federal, ao Sr. Presidente da República, porque de nosso empregador direto, o Governo do Estado do Rio, nada temos a elogiar).

É fato que não tenho tido tempo de cuidar muito do CdP, mas também não é isso que impede a postagem de novos artigos, já que durante os fins de semana, quando fico “de bobeira”, faço alguns artigos e deixo como rascunho, para quando houver falta de tempo possa usá-los. Normalmente artigos com “besteiras interessantes” ou coisas do gênero, mas que reputo como conteúdo positivo.

O grande problema é que estou desanimado. Muito desanimado. Não só eu, muitos colegas da PCERJ e PMERJ e até CBMERJ com os quais convivo.

A primeira coisa a causar o desânimo são as mentiras que a imprensa publica. Nossos “profissionais” do jornalismo estão precisando de uma séria reciclagem e boas aulas de ética. Aliás divulgam muito sobre as faculdades de Direito de má qualidade que se espalham, mas tenho a imprensão que as de Jornalismo não ficam muito atrás não. Mas esse não é o principal, nunca esperei ver qualidade no trabalho da imprensa tradicional, afinal são tão somente máquinas de dinheiro, e os governos investem muitas “verdinhas” em publicidade.

O que entristece realmente é o recém formado cenário de fofocas, intrigas e disputas que surgiu entre policiais civis, militares e até dos bombeiros. É incrível o que a vaidade faz com o ser humano. Estou vendo acontecer aqui no Rio o que vi no Blog da Segurança Pública, do ex-PM Cathalá, agressões e ofensas gratuitas entre policiais (nos comentários), que nada acrescentam. Os comentários não debatem o assunto proposto no artigo, apenas alegações de que “eu sou mais inteligente e sagaz que você”. Imagino o quanto isso deve ter decepcionado o autor do artigo, que teve que dar um puxão de orelha nos mais empolgados, mantendo a excelência do Blog.

Não vou entrar no mérito das questões aqui, tenho visto a Polícia Civil ser criticada e difamada com a desculpa que os “alvos” de tamanho desprezo seriam apenas os Delegados de Polícia. Bem, eu sou Policial Civil, o resultado do trabalho produzido pela PCERJ é o reflexo do meu trabalho, e as críticas e ofensas gratuitas me atingem sim, diretamente. Está ruim? Eu também acho, e por isso este Blog foi criado, para expor os problemas da Polícia Civil do Rio, ao mesmo tempo em que apontamos soluções. Poderia fazer o mesmo com a Polícia Militar, apontar os problemas e opinar soluções, mas acho que não é educado atirar pedras contra o telhado de vidro do vizinho, mesmo que minhas intenções sejam as melhores, e ainda, existem diversos excelentes blogs militares que o farão certamente com mais precisão.

Temos uma baixa produtividade? Sim, é óbvio e ululante, e cansamos de dizer isso por aqui, propondo mudanças. Temos servidores corruptos em nossos quadros? Sim, e acredito que não sejam poucos, isso também é objeto de crítica, mas opinamos sobre como melhorar. Temos um monte de outros problemas? Sim. Vamos reverter este quadro? Espero que sim, para isso foi criado este Blog.

Quem está fazendo um trabalho pior, quem é mais ineficiente, a PCERJ ou a PMERJ? Não me interessa! Sei que ambas me desagradam, e muito, e nosso Estado, nossa Cidade, está insuportável.

Chega de intriga, eu quero um aumento substancial nos salários da PMERJ, os bons policiais tem que ser lembrados, ao mesmo tempo em que os “maus policiais” são presos. Eu quero a reparação da injustiça feita com a PCERJ, a devolução do que o des-governo dos garotinhos roubou de nossos contra-cheques, nosso aumento discutimos futuramente. Reescalonamento já, nós que prendemos ladrões não podemos ser vítimas do próprio Estado!

Então, Civil ou Militar, quem está pior? Eu sei a resposta: nenhum dos dois, pior mesmo está a população do Estado do Rio de Janeiro, que, lembro, um dia juramos servir e proteger, mesmo com todos os seus defeitos.

Nos próximos posts seguimos com a programação normal… 🙂

Mudando o visual do site

Não, você não entrou no site errado, esse ainda é o Caso de Polícia.

Eu andava meio enjoado da aparência anterior, e acho que estava muito “pesado” para carregar na tela dos internautas que não têm banda larga para acessar a internet. Então já vinha planejando executar algumas melhorias.

E ontem, saí do trabalho às 22:30hs, e ao chegar em meu carro, que deixei parado na Rua dos Inválidos no Centro, encontrei o vidro quebrado e os objetos que estavam no interior do carro subtraídos. Argh, dei uma volta no quarteirão, mas como estava frio não havia quase ninguém circulando. Ou seja, nada de suspeitos nem testemunhas. Dancei, nem sei quanto custa o vidro de um Palio 98, mas o pior mesmo é a sensação de impotência, não é? Mas não adianta espernear, o máximo que vou fazer mesmo é semana que vem dar umas voltas pela Central ou naquele antro do descaminho chamado “camelódromo” e controlado por “policiais”, quem sabe não acho o receptador vendendo minhas “ex-coisas”…

Diante disto, fiquei puto e nem fui trabalhar hoje, daí resolvi mudar algumas coisas por aqui. Peço que se as mudanças desagradarem, ou se aparecerem problemas que me avisem e eu retorno ao modo anterior. Mas se melhorar mesmo, ao menos tiro uma coisa positiva do meu prejuízo… 😉