Início » Indefinido

Ser Policial é engraçado

Publicado em 13/05/2007 - Categoria: Indefinido

Policial

Sabem, ser policial é bastante estranho. Somos maltratados, pisoteados, empurrados com a barriga pelo Governo, humilhados perante a sociedade devido à nossa condição financeira, caçados pelas ONGs de direitos humanos(??), criticados veementemente por toda a sociedade, sua mulher lhe critica por se dedicar “a essa merda de polícia”, seus familiares o questionam para pedir demissão… e dá um desânimo gigantesco.

Mas em pensar fazer um concurso desses da vida, tipo auxiliar no Ministério Público ou da Justiça, para ganhar mais de R$ 4.000,00 com nível de 2º grau, condições de trabalho, respeito, etc… não, não é isso que queremos. Não queremos ficar enfurnados em escritórios 4 horas por dia e ser tratados como boys…

Largar a Polícia é difícil para quem se encontra com a vocação. Parece porém que não vem restando muita escolha: têm-se que optar entre ser Policial ou dar condições financeiras decentes para sua família… um grande dilema hein.

12 comentários »

  • Cathalá comentou:

    É, colega…eu mesmo não resistí.
    Depois de dez anos na PMDF, acabei saindo.
    Só que já te dou um alerta: se for sair, não ache que vai deixar de pensar como polícia.
    Esse negócio é um vírus, e pelo jeito não tem cura.
    Dá só uma olhada no meu Blog que você vai entender o que eu estou falando:
    http://www.policiabrasil.blogspot.com

    Parabéns pelo Blog, guerreiro. Excelentes posts. Já está nos links do BSP.
    E bemvindo à Blogosfera policial.

    Abraço,

    Cathalá/ DF

  • dupcerj comentou:

    Obrigado amigo. Quero dizer que visito já há algum tempo diariamente o seu Blog, e me deu até um frio no estômago ler que você saiu da PM. Espero porém que não abandone a luta ideológica para melhorar as condições das polícias. Eu não quero uma polícia boa e bem paga só porque sou policial não, eu PRECISO de uma polícia decente porque sou um cidadão que anda na rua e precisa de segurança, assim como meus familiares, amigos, colegas, etc. Esse ideal deve nos guiar, e assim pretendo seguir mesmo quando (e se) eu sair da PCERJ. Abraços.

  • Cathalá comentou:

    Agradeço a honra pelas visitas, colega.

    Mas agora que saí é que posso realmente falar o que precisa ser dito, já que estou fora do jugo do regulamento disciplinar.

    E, como você bem disse, como cidadão, tenho todo o interesse do mundo em ter uma polícia de qualidade prestando serviço à sociedade, da qual todos fazemos parte e todos colhemos os frutos de um bom trabalho ou as nefastas consequências da incompetência e corupção.

    Mais uma vez meus parabéns pelo Blog. E que este tenha vida longa, ao contrários dos outros que jazem no limbo.

  • dupcerj comentou:

    Lhe tomo como exemplo amigo, espero ter essa determinação e preocupação com a Polícia depois que eu sair dela (se sair, porque se melhorar eu prefiro ficar e ganhar um pouco menos). Em frente e juntos. Abraços.

  • Benito comentou:

    dupcerj,

    Fiz exatamente o caminho que vc colocou em questão, sai da policia para ser bancário(banco público tb concurso) e hj sou auxiliar do MPF. Como o Ten Cathala, mencionou é dificil para de pensar na polícia.
    Se por um lado as conquistas individuais são significativas, salário melhor, terminei a faculdade(acredite na época de polícia isso me parecia impossível de conciliar), horários fixos, ambiente de trabalho melhor( e olha que eu trabalhava em uma delegacia de atendimento ao turista, ou seja nem passei perto de conhecer o lado mais “sujo” da instituição), etc.
    De outro lado é terrivel a sensação de se trabalhar em um escritório, parece que todos os seus ideais sucumbiram a uma espécie de fraqueza, que me desculpe, não vou saber definir. Sei lá, na polícia me sentia alguem, util a sociedade, contra tudo e contra e todos, hj me sinto mais um, apenas interesasdo no meu bem estar, cumpro minha função e pronto, sem maiores dilemas ou ques~toes a serem dirimidas.
    Para mim esta é a pior parte, tambem tive sérias dificuldades de me adaptar a ter uma rotina “normal”, até hj quase 4 anos depois saio para comer de madrugada, só para não perder contato.
    Mas a segurança pessoal é indiscutível, é possível até fazer projetos de maneira concreta, sonhos que eram devanieos na época de polícia, em que apenas eu vivia um dia após o outro, agora ganham certa plausibilidade, tanto que apesar de ter a oportunidade de voltar a PC como delegado, acabei não assumindo.
    Adorava ser policial, muito mais que estar no MPF, mas não fui forte o bastante para suportar as adversidades, tomara que diferente de mim, vc possa contribuir para (como já esta fazendo através do blog), para que um dia a PC mude, e não as pessoas mudem da PC.
    O mais engraçado de tudo, é que hj quando vejo os processos, tenho muito mais noçao da importancia da PC e do IP do que antes. Um IP bem feito faz toda a diferença do mundo para a pretensão punitiva estatal.
    È totalmente incongruente, e até mesmo suicida o Estado pagar quase 20 mil a um promotor(procurador no caso do MPF), que tera de atuar em um processo quase natimorto por deficiência na instrução do IP, devido a precariedade de condições salário etc.
    Mas enfim, segurança pública parece que nunca foi prioridade mesmo…para que investigar, processar, julgar?? basta comprar viaturas, dirigiveis e assim por diante!
    Abraço,

    Benito

  • dupcerj comentou:

    Explêndido amigo, esse é um tópico que estou planejando abordar aqui, mas tem me faltado tempo para fazer de forma organizada e clara, e não parecer um texto de lamúrios e auto-piedade. Isso foi explanado inclusive na última reunião com o Governador, que entendeu perfeitamente (segundo comentários posteriores com deputados que têm contato direto com os policiais) que a PC é responsável pela inauguração da persecução penal, e que se fazemos um trabalho medíocre, mesmo que por sorte venha um Promotor dedicado e comprometido com seu trabalho, os esforços desta também não superarão a mediocridade.
    Quanto à sua atual situação, fica evidente que as pessoas só começam a se importar com segurança pública após terem contato direto, e espero ter essa mentalidade que vocês tiveram de continuar se importando quando e se eu deixar de ser policial.
    Abraços.

  • Nelson Francisco comentou:

    A velha frase, “seria trágico se não fosse comico”, é a nossa realidade. O amigo expressou muito bem o que é ser policial no Brasil.

  • cristina comentou:

    ola amigos .sou cristina tenho 37 anos e um sonho q nao foi realizado queria muito ter sido policia feminina mas nao consegui . Nao corri atras dos meus sonhos e o tempo passoa e agora e tarde .Mas como admiradora de todos policiais digo a todos vcs mercem todo respeito e carinho pois sao homens fortes e bravos q nos protgem .Meu filho tem 3 anos eu gostaria muito q ele seguisse a carreira militar e minha filha de 7 tambem vou lutar para ela seguir carrera militar . Quero ver meus sonhois realizados atrves dos meus filhos . Felicidades para todos pm do mundo .

  • Maria comentou:

    Boa noite. Enviamos aos colegas da classe policial coluna que vos prestigia. Por gentileza, na medida do possível, lê-la e comentá-la para o amadurecimento de seu autor. Pedimos ainda a gentileza de reenviar aos interessados (autoridades e soldados policiais civis e militares e guardas). Obrigada.

    http://www.tribunatp.com.br/modules/news/article.php?storyid=1188

  • Heriques T.D.Scher comentou:

    Gostei muito do que eu li nos comentarios dos colegas,estou com 26 anos de serviço na PM/BA e me pergunto como escolhemos uma profissão que vai ao contrario de todas as outras que conheço,é preciso uma força pessoal muito grande pra não deixar nossa auto-estima cair e quem sabe até ser destruido por uma depressão,leio livros de historia romana e vejo quanto valor seus soldados tinham até mesmo de serem chamados por Caio Julio Cesar “meus companheiros de armas a minha vida e a de Roma estão nas suas mãos”quanto ainda será preciso para sermos respeitados como profissionais de respeito,que dão as suas vidas pela sociedade e e em troca o que recebemos?Temos que mudar a cara da nossa “in corpore”Não quremos ser maltratados,humilhados,pisoteados,sem direitos,sem dinheiro suficiente,quanto trabalhamos para cobrir o que nos falta e ainda somos chamados de preguiçosos,arriscando-nos em bicos maquiavelicos e miseraveis que nos sugam mais ainda,infelizmente tenho que terminar meu labor que falta pouco,Somos herois.

  • cris comentou:

    Adorei seu blog. Penso em futuramente seguir a carreira de policial e seus comentarios me ajudaram muito a refletir . É importante saber antes, o lado bom e ruim de uma profissão. Agradeço a sua boa vontade de esclarecer às pessoas que pensam ou estão no ramo da PM.

  • Nilson D'silva comentou:

    Herói
    Do grego “heros”, o herói figura que reúne em si os atributos necessários para superar um determinado problema de grande dimensão.
    O herói será tipicamente guiado por ideais nobres e altruístas – LIBERDADE, FRATERNIDADE, SACRIFÍCIO, CORAGEM, JUSTIÇA, MORAL E PAZ.
    Mais a pergunta que começo a me fazer depois de 10 anos de Polícia é; VALE A PENA SER HERÓI NESTA ÉPOCA QUE VIVEMOS?
    Somos constantementes difamados, caluniados, pisados, esculachados e humilhados por pessoas que defendemos.
    Temos nossas ações postas em discursão por pessoas que vivem de terno e trabalham em salas com ar condicionado e tem horas, dias e meses para analiza-las enquanto nos temos segundos para resolve-las.
    Temos os sacrifícios de companheiros tombados em combate, minimizados, ridicularizados e questionados por gente sem escrúpulos.
    Temos nossas moral questionada por ações erradas de uns.
    VALE A PENA SER HERÓI?
    VALE A PENA SER POLÍCIA?

Deixe seu comentário!

Escreva seu comentário abaixo, ou faça um trackback do seu site.

Aviso: Você pode comentar esse artigo e expor suas idéias. Mensagens com palavrão, ofensas, injúria ou difamatórias serã o sumariamente excluídas. Exerça seu direito de expressão respeitando o direito de terceiros.

Gravatar habilitado. Para ter uma imagem pessoal exibida, registre seu Gravatar.