Extinto Adicional de Periculosidade para a Polícia

É isso mesmo que você está lendo, os policiais não recebem mais a gratificação adicional por atividade perigosa. Duvida? Então vamos brincar de “pensamento lógico”.

Vejamos: qual o propósito do Adicional por Atividade Perigosa? Você está certo, é uma maneira de “compensar” o profissional que trabalha em uma atividade que lhe proporciona risco iminente de morte. Vale dizer que, para que um policial aceite o fato de que expõe a risco sua vida durante o exercício de sua atividade profissional (e costumeiramente na folga também), à ele é oferecido um benefício pecuniário, uma vantagem, um agrado para que ele aceite mais facilmente o fato de sair para trabalhar e não mais voltar, deixando sua família desamparada, e amigos desolados.
Mas que vantagem é essa afinal ?

No caso da Polícia Militar/RJ eu não sei, e como escrevo este texto de madrugada não dá pra saber, porém atualizarei o texto quando descobrir. O da Polícia Civil/RJ é fixado em 230% sobre o valor dos vencimentos.

Os vencimentos atuais de um Inspetor de Polícia Civil de 5ª classe são de R$ 432,36. Sobre ele incide o adicional de periculosidade, acrescendo ao contra-cheque o valor de R$ 994,42. Mas espere aí, o objetivo do adicional em comento não era “compensar”, gratificar o policial, uma questão de justiça face o perigo iminente que a qualquer momento pode tirar-lhe a vida?

Se você está acompanhando o meu raciocínio, então concluiu, como eu, que ao mencionarmos o valor do salário de um policial em comparação ao salário de qualquer outra atividade profissional, devemos ter em mente que o salário do policial é cerca de R$ 430,00. E digo isso na PCERJ, pois ao que me consta na PMERJ o valor é ainda mais aviltante.

Significa dizer que o salário do policial é mais ou menos: R$ 90 a menos que de um profissional da COMLURB; R$ 200,00 a menos do que de um garçom; R$ 80,00 a mais que de um empregado doméstico.

Este, senhoras e senhores, esse é o valor que o Governo do Estado do Rio de Janeiro dá aos seus profissionais de segurança pública (obviamente não é nosso objetivo desmerecer as categorias citadas). Significa que os governantes consideram que o valor de R$ 430,00 é o suficiente pelo trabalho desenvolvido pelos policias. Policiais cujo trabalho exige disciplina, equilíbrio, raciocínio rápido, tirocínio, inteligência, preparo físico, probidade, senso de justiça… senso de justiça ?? O que pode esperar um cidadão que por uma infelicidade precise do apoio da Polícia, quando os profissionais desta instituição já nem sabe mais o que significa JUSTIÇA!? Se são eles próprios alvos de tamanha injustiça que desabona e rebaixa a qualidade da profissão que exerce…

A não ser que a nova teoria do Estado seja a de que o exercício da profissão policial é igualmente perigosa à dos motoristas, garis, bancários, comerciários…

E na instituição policial – Militar ou Civil – que você trabalha ? Qual o valor dos vencimentos e do adicional de periculosidade ? E aí, estou “viajando”, existe ou foi extinto o adicional por atividade perigosa na Polícia ?

A Polícia Civil continua mobilizada

Peço novamente desculpas aos leitores que frequentam este espaço pela recente escassez de posts, mas esse período de engessamento logo chegará ao fim.

Enquanto isso, comunico que, apesar da pouca participação da categoria (o que me deixa envergonhado ao ler que em Minas Gerais policiais civis reuniram-se em grande número em passeata), fizemos uma bonita manifestação ontem no Centro da cidade, e o resultado foi bastante positivo. Houve grande adesão de organizações da sociedade civil em apoio aos sofridos policiais, o que é magnífico. No dia 31/05/07 haverá nova passeata, com concentração na igreja da Candelária no Centro, é a oportunidade de quem não compareceu, mostrar que não está satisfeito.

Inusitado que, no caminho para a passeata ocorrida segunda-feira última, eu de carona no carro de um colega vi um exemplar do Jornal Extra com a manchete “Rio desperdiçou R$ 52 milhões da Segurança: União encontra irregularidades em 12 contratos firmados entre 2003 e 2005 com o governo estadual para a redução da violência“. Não me custa nada lembrar que foi no governo de Garotinho e Rosinha. obs: a União devia procurar melhor…

Por hora, seguem algumas fotos da pequena manifestação, mas que renderá bons frutos em breve, já que certamente outros mais colegas ficarão melhor motivados ao perceberem que, como garantiu o atual Chefe de Polícia Civil, Dr. Gilberto, não haverá punição aos participantes.

Passeata no Centro dia 28 maio 2007
Passeata no Centro dia 28 maio 2007
Passeata no Centro dia 28 maio 2007
Passeata no Centro dia 28 maio 2007
Passeata no Centro dia 28 maio 2007
Passeata no Centro dia 28 maio 2007